• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Saiba os principais cuidados para evitar acidentes e afogamentos com crianças em piscinas

  • COMPARTILHE
Geral

Saiba os principais cuidados para evitar acidentes e afogamentos com crianças em piscinas

"A melhor forma de se impedir o afogamento é a prevenção. Quando não tiver adulto por perto, a piscina deve estar coberta e cercada de maneira que impeça o acesso de crianças a área", diz coronel do Corpo de Bombeiros

No último domingo (03), a tragédia envolvendo dois irmãos gêmeos de Mato Grosso do Sul que se afogaram na piscina da família chamou a atenção de todo um país. De acordo com o relato dos pais, as crianças conseguiram ultrapassar uma grade de proteção que cerca a piscina. Os pais estavam regando as plantas na residência no momento do acidente.

O Folha Vitória conversou com o Coronel Carlos Wagner do Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo para saber quais são os principais cuidados que devem ser tomados quando o assunto é criança e piscina.

1) Nunca deixar a criança sozinha

"Em nenhuma hipótese a criança deve ficar sozinha. Para menores de 08 anos, o risco é que a criança, mesmo com a boia, acabe virando em uma posição e não consiga se virar de volta provocando o afogamento", explica. 

2) Proteja a área da piscina

"A melhor forma de se impedir o afogamento é a prevenção. Quando não tiver adulto por perto, a piscina deve estar coberta e cercada de maneira que impeça o acesso de crianças a área", orienta. 

3) Oriente a criança sobre os perigos da piscina

"Não basta apenas os responsáveis dizerem que "não pode". É preciso que se explique para a criança os riscos que podem envolver os descuidos no ambiente aquático", destaca.  

4) Cuidado com as brincadeiras

"As crianças, sobretudo as maiores, gostam de determinadas brincadeiras que não combinam com o ambiente da piscina. Evite que a criança corra ou brinque de pular, pois uma queda pode acarretar um traumatismo craniano, agravando ainda mais o quadro do afogamento. Outra situação que deve ser evitada são brincadeiras do tipo agarra-agarra, lutas, entre outras. A criança pode estar engolindo água e quando se percebe já é tarde demais", alerta.  

5) Saber nadar não significa segurança

"Mesmo as crianças que fazem aula de natação e já aprenderam a nadar não devem ficar sozinhas na piscina. Se ela prende a respiração por exemplo por um período maior porque está "competindo" com o colega, ela pode ter um apagão e se afogar", ressalta.  

6) Verifique a segurança das piscinas coletivas

"No caso de clubes, que tem piscinas maiores e com ralos mais potentes, é muito importante que o adulto, antes de a criança ir para água, verifique se os ralos estão devidamente protegidos para evitar sucção".  

7) "Dar pé" não é sinônimo de segurança

"A profundidade é algo relativo. No caso de piscina, a água batendo na altura do peito é relativamente seguro. Mas é preciso ter muito cuidado, com as atividades dentro água ou no entorno da piscina, principalmente com as brincadeiras", comentou. 

8) Após alimentação, espere para entrar na água

"É importante aguardar o intervalo de uma hora antes de entrar na piscina após se alimentar. A criança pode ter um congestão ou convulsão e até mesmo se asfixiar com o vômito".