• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Curso em Cachoeiro capacita laboratoristas no combate aos mosquitos

  • COMPARTILHE
Geral

Curso em Cachoeiro capacita laboratoristas no combate aos mosquitos

O curso foi uma solicitação da prefeitura do município ao Governo do Estado, que disponibilizou três técnicos do Núcleo de Entomologia e Malacologia do Espírito Santo para ministrar os estudos

Em busca de eficiência nos estudos para combate aos mosquitos, as cidades do sul do estado participaram durante a última semana do curso Capacitação para Laboratoristas, solicitado pela prefeitura de Cachoeiro ao governo estadual. Três técnicos do Núcleo de Entomologia e Malacologia do Espírito Santo (Nemes) ministraram as aulas, teóricas e práticas.

Foram convidadas na região 26 secretarias municipais responsáveis pelas ações de saúde, para atualização das informações sobre hábitos e a biologia dos insetos, principalmente os mais comuns: o aedes aegypti, transmissor da chikungunya, dengue, febre amarela e zika; e o culex.

Todo o trabalho de campo dos agentes de endemias geram informações e amostras utilizados em laboratório para pesquisa e definição das ações seguintes de combate. Em Cachoeiro, o laboratório funciona na Unidade de Vigilância em Zoonoses (UVZ), o antigo CCZ, no bairro Aeroporto.

“No caso do nosso município, o último curso ocorreu em 2014, e nos alegra muito a oportunidade dessa capacitação à equipe da prefeitura. Os laboratoristas vão ter um conhecimento mais amplo, com acesso ao que a ciência tem de mais novo para investigar os insetos, e a estratégia de combate será melhor”, informa a secretária municipal de Saúde, Luciara Botelho.

Análise

O Nemes atuou em bairros de Cachoeiro com a equipe da Vigilância Ambiental da prefeitura, para pesquisas em campo, com base em armadilhas para captura, uma para insetos adultos e outra para larvas, encaminhados para análise.

O método é indicado pelo Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD), pela melhor relação custo-benefício e o apoio no monitoramento da infestação. Umas das armadilhas é a ovitrampa, parecida com um vaso de flores, mas com líquido larvicida e uma pequena peça para ajudar na fixação dos ovos.