• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Motoristas da Uber fazem carreata em protesto contra projeto de lei

  • COMPARTILHE
Geral

Motoristas da Uber fazem carreata em protesto contra projeto de lei

Segundo os manifestantes, a aprovação do PL 28/2017 pode levar a Uber a sair do Brasil devido ao alto número de impostos a se pagar por parte da empresa.

Motoristas e usuários da Uber fazem uma carreata em protesto na tarde dessa quarta-feita (25) contra projeto de lei (PLC 28/17), que regulamenta o serviço de transporte. O intuito da manifestação é sensibilizar os senadores que vão participar da votação do projeto. 

O protesto teve inicio na Praça do Papa, em Vitória, por volta das 13h e tem como ponto final a Prefeitura de VitóriaO volume de veículos causa trânsito nos trechos por onde passa. De acordo com os participantes, mais de 200 carros fazem parte da manifestação. Ainda segundo os manifestantes, a aprovação do PL 28/2017 pode levar a Uber a sair do Brasil devido ao alto número de impostos a se pagar por parte da empresa.

Informações divulgadas na página no Facebook da empresa dão conta de que a Uber já pagou mais de R$ 495 milhões em impostos no Brasil em 2017. 

O projeto

O Projeto de Lei nº 28/2017, do Deputado Federal Carlos Zarattini, líder da bancada do PT na Câmara dos Deputados, altera a Lei nº 12.587 de 2012, exigindo então, se aprovada, idade mínima para os condutores, vistorias periódicas nos veículos de transporte privado e “ficha limpa” dos motoristas. Os carros também deverão rodar com base em licença específica e utilizar emplacamento vermelho

Se aprovada, vira responsabilidade de cada município regulamentar, fiscalizar, cobrar tributos, contratar seguros para acidentes e danos e a inscrição do motorista como contribuinte do INSS.

Votação

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, afirma que "se houver entendimento entre os líderes, podemos dispensar a urgência e colocar a matéria em pauta sem nenhum problema". Ele ponderou que, caso não haja acordo, colocará em votação apenas o regime de urgência do texto, que obriga os parlamentares a esperarem pelo menos duas sessões para realizar deliberações.