• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Novas armadilhas vão reforçar combate a mosquitos em Cachoeiro

  • COMPARTILHE
Geral

Novas armadilhas vão reforçar combate a mosquitos em Cachoeiro

Segundo conclusões do Programa Nacional de Controle da Dengue, armadilhas para capturar insetos têm melhor relação custo-benefício e ajudam, ainda, a monitorar melhor a infestação do que a amostragem por larvas

O Núcleo de Entomologia e Malacologia do Espírito Santo (Nemes) esteve em Cachoeiro nesta semana para uma série de pesquisas sobre as espécies de mosquito existentes, com participação de técnicos do setor de Vigilância Ambiental da prefeitura.

Foram empregados em campo dois tipos de armadilhas para captura: uma para insetos adultos e outra para larvas, e tudo será encaminhado para análise em laboratório. De acordo com a Secretaria de Saúde, os dados serão fundamentais para o planejamento do trabalho.

Diversos pontos dos bairros Santa Cecília e Nossa Senhora da Penha já receberam um dos tipos de armadilha, uma armação em rede que tem como alvo o culex (pernilongo comum). Além deles, também receberam o equipamento os bairros: Monte Cristo, Santa Helena, Elpídio Volpini (Valão) e Coramara.

“Nossas equipes buscam continuamente a atualização das informações sobre o combate a esses mosquitos, que podem transmitir uma série de doenças. As armadilhas funcionam como prevenção, pois são fonte de dados para direcionar as ações”, comemora a secretária municipal de Saúde, Luciara Botelho.

Aedes aegypti

Outra ação que será desempenhada pelo município é o monitoramento da resistência do Aedes aegypti aos inseticidas utilizados pelo Programa Nacional de Controle da Dengue, que começará ser implantada em novembro.

Será utilizada a armadilha conhecida como ovitrampa, parecida com um vaso de flores, mas com líquido larvicida e uma pequena peça para ajudar na fixação dos ovos. O Aedes é transmissor de chikungunya, dengue, febre amarela e zika.

Serão instaladas no município 150 dessas ovitrampas. O treinamento foi ministrado também pelos técnicos do Nemes, nesta terça-feira (17), na Unidade de Vigilância em Zoonoses, aos técnicos do município. As coletas dessas armadilhas serão analisadas pelo Laboratório de Fisiologia e Controle de Vetores e Artrópodes, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).