• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Promessa de 'aceleração' na duplicação da ECO 101 não cobre nem metade do estipulado em contrato

  • COMPARTILHE
Geral

Promessa de 'aceleração' na duplicação da ECO 101 não cobre nem metade do estipulado em contrato

A Concessionária deveria entregar 115.8 quilômetros de pista dupla até o final de 2018, no trecho que vai de Linhares até a Serra

A concessionária responsável pela BR 101 no trecho que corta todo o Espírito Santo mais 17 quilômetros na Bahia anunciou, nesta quinta-feira (26), a retomada das obras na rodovia, intensificando os trabalhos para entregar, até o final do próximo ano, 48 quilômetros de pista duplicada. Contudo, o compromisso divulgado pela concessionária não atende nem metade da duplicação prevista no contrato assinado em 2013 com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). 

O cronograma de duplicação do contrato assinado com a ANTT consta no Programa de Exploração Rodoviária (PER), documento disponível no site da Agência. Se fossem realizadas as intervenções previstas, entre elas as obras de duplicação, a Eco 101 deveria entregar 115.8 quilômetros de pista dupla até o final de 2018, no trecho que vai de Linhares até a Serra. Desses, 76,9 quilômetros deveriam ser duplicados até o final de 2017. 

Até o final de 2019, sexto ano da concessão, deveriam ser entregues mais 119.9 quilômetros de duplicação, do trecho que vai de Alfredo Chaves, até o município de Atílio Vivacqua. 

Seguindo o contrato assinado em 2013, a Eco 101 deveria entregar até o final do décimo ano de exploração, isto é, em 2023, mais 207,5 quilômetros da rodovia duplicados. O trecho inclui 17,5 km na Bahia, mais 190 km que vai da divisa com o Estado Bahiano até o município de Linhares.  

Os 32 quilômetros restantes, entre Atílio Vivacqua até a divisa entre o Rio de Janeiro tem previsão de entrega até o final do vigésimo terceiro ano de concessão, ou seja, até o ano de 2036. 

A Eco 101 enviou, em agosto, uma proposta de repactuação do contrato assinado em 2013 com ANTT, mas a Agência ainda não terminou a análise do documento, mas cobrou que as obras de duplicação fossem retomadas.  A concessionária instalou sete praças de pedágio ao longo do trecho capixaba que estão em funcionamento desde o ano de 2014.