• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Erradicação do trabalho infantil é tema de seminário em Vila Velha

  • COMPARTILHE
Geral

Erradicação do trabalho infantil é tema de seminário em Vila Velha

Só no Espírito Santo, segundo pesquisa recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 50 mil crianças e adolescentes na faixa etária de 5 e 17 anos estão trabalhando

Buscar soluções para a erradicação do trabalho infantil e discutir o papel e a importância da eduação nesse que é um dos maiores problemas da sociedade atual. Esses são os objetivos do Seminário “Por que devemos erradicar o trabalho infantil?”, que acontecerá na próxima segunda (20) e terça-feira (21), das 8 às 18 horas, no Anfiteatro da Universidade de Vila Velha (UVV).

Proposto pelo Fórum Estadual de Aprendizagem, Proteção ao Adolescente Trabalhador e Erradicação ao Trabalho Infantil no Espírito Santo (Feapeti), o Seminário contará com a presença de procuradores do Trabalho, conselheiros tutelares, gestores públicos, pesquisadores e representantes de diversas entidades que participarão de mesas redondas para debater o tema que tem números alarmantes.

Só no Espírito Santo, segundo pesquisa recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 50 mil crianças e adolescentes na faixa etária de 5 e 17 anos estão trabalhando. O número cresce para 150 milhões de menores em todo o mundo, de acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Ao todo, serão realizadas quatro mesas redondas, com os seguintes temas: “Violações de direitos de crianças e adolescentes”; “Por que devemos proteger nossas crianças?”; “O papel da educação, da aprendizagem, das empresas e do setor público”; e “Mídia e da sociedade: a importância da conscientização”.

As mesas contarão com a presença dos seguintes mediadores: o procurador do Ministério Público do Trabalho no Espírito Santo, Marcos Mauro Buzato; as juízas do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região, Suzane Schulz Ribeiro e Germana de Morelo; além da professora e socióloga da Universidade de Vila Velha, Maria Angela Rosa Soares.

Os interessados em participar do evento precisarão se inscrever através do link www.uvv.br/comunicacao/eventos. As inscrições são gratuitas, mas o número de vagas é limitado.

Esforço conjunto

O seminário será uma oportunidade para integrar os diversos setores da sociedade, otimizando serviços de prevenção e repressão ao trabalho infantil, bem como para desenvolver e fortalecer ações intermunicipais sob uma perspectiva multiprofissional. Pouco se discute a respeito de causas, impactos e consequências desse tipo de exploração.

De acordo com a juíza do Trabalho e gestora do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem no Espírito Santo, Suzane Schulz, "o trabalho infantil é uma das formas mais perversas de exploração com consequências físicas, como lesões, deformidades, doenças, e até mesmo acidentes que resultam em morte; emocionais, fazendo com que a criança tenha dificuldade de estabelecer vínculo afetivo, apresente desconfiança, tenha alto nível de stress; e sociais, pois a criança é afastada do ambiente infantil, da brincadeira, do lazer que instiga a curiosidade, apresenta déficit de aprendizagem, e não raro isso ocasiona na evasão escolar, o que reproduz o ciclo da pobreza".