• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Escolas estaduais do Espírito Santo recebem mais de R$ 7,9 milhões para melhorias

  • COMPARTILHE
Geral

Escolas estaduais do Espírito Santo recebem mais de R$ 7,9 milhões para melhorias

A portaria com os valores repassados para cada escola será publicada nesta quarta-feira (08), no Diário Oficial do Estado

As escolas estaduais do Espírito Santo receberão a segunda parcela do Programa Estadual Dinheiro Direto na Escola (PEDDE), no valor de R$ 7,9 milhões. Os recursos, disponibilizados pela Secretaria de Estado da Educação (Sedu), são destinados para despesas com materiais e reparos, como conserto e substituição de ventiladores ou contratação de link de internet, ou compra de materiais pedagógicos, por exemplo.

“O PEDDE é uma forma de dar mais autonomia para as escolas. Para que assim, os alunos da rede estadual tenham acesso e permaneçam em um ambiente com boas condições físicas e com materiais pedagógicos de qualidade. Neste ano, aumentamos em mais de 18% o repasse de recursos”, ressalta o secretário de Estado da Educação, Haroldo Rocha.

O Programa Estadual Dinheiro Direto na Escola (PEDDE) é um instrumento norteador da execução física e financeira dos recursos destinados a cada escola, por meio do Conselho de Escola, transferido, de acordo com a classificação tipológica.

A direção da escola faz um plano de aplicação da verba, simplificado, para ser aprovado pelo Conselho Escolar e, em seguida, pela Sedu, passando a ser utilizada a “ata de prioridade” que o conselho escolar definir. A escola também se compromete a prestar contas do recurso, após sua utilização.

A portaria com os valores repassados para cada escola será publicada nesta quarta-feira (08), no Diário Oficial do Estado.

Neste ano, por meio do PEDDE, mais de R$ 18 milhões foram destinados às unidades de ensino, em duas parcelas para que as escolas apliquem os recursos em melhorias na infraestrutura física e pedagógica, reforço da autogestão escolar e a elevação dos índices de desempenho da educação básica. A primeira parcela foi repassada em março, no valor de R$ 13,3 milhões.