• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Números de casos de Aids voltam a subir nos municípios do Caparaó

  • COMPARTILHE
Geral

Números de casos de Aids voltam a subir nos municípios do Caparaó

Os números de 2017 já superam todo o ano anterior, que registrou 22 casos e de janeiro a novembro deste ano, já são 46 casos confirmados da doença. A maior incidência é entre os jovens, que não se previnem

Nesta sexta-feira (1) é o Dia Mundial de Combate à Aids e há motivos para preocupação na região atendida pelo Serviço de Atendimento Especializado e Centro de Testagem e Aconselhamento (SAE/CTA), de Guaçuí, que também atende outros nove municípios da região do Caparaó. Os casos notificados da síndrome voltaram apresentar um crescimento e os números já superam os do ano passado.

Segundo o coordenador e enfermeiro do SAE, Fabiano dos Santos e Souza, os dados mostram que houve um grande aumento das notificações das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e da Aids, na região, que compreende os municípios de: Guaçuí, Bom Jesus do Norte, São José do Calçado, Dores do Rio Preto, Divino de São Lourenço, Ibitirama, Iúna, Irupi, Alegre e Muniz Freire.

Em 2007, o serviço notificou 10 casos de Aids, número que se manteve no ano seguinte e depois caiu para três, em 2009, se mantendo fora da casa dos dois dígitos até 2013, quando foram registrados 20 casos. Em 2014, os números voltaram a crescer e, no ano seguinte, houve uma subida excessiva com 71 casos notificados. Em 2016, os casos voltaram aos 22, mas este ano, até esta quinta-feira (30), já haviam sido notificados 46 casos de Aids.

Prevenção

Fabiano explica que a população não está se prevenindo como deveria e os jovens compõem o grupo em que se evidencia um alto crescimento do número de novos casos de HIV. “A Aids está crescendo muito entre os jovens que não têm se prevenido, principalmente, no ato sexual, não usando preservativos, e a única forma de se prevenir com 100% de garantia é o uso correto da camisinha”, destaca. 

O coordenador enfatiza que a infecção pelo HIV vem sendo menosprezada, principalmente, pelos jovens, resultando no aumento do número de casos. “Também existe uma expressiva associação entre o não uso da camisinha com o uso de drogas, como fator de esquecimento do uso do preservativo”, explica.

O SAE/CTA de Guaçuí oferece o tratamento e acompanhamento de pessoas vivendo com HIV/AIDS, DST e Hepatites Virais, e .também a realização do teste de HIV/Sífilis/Hepatite B e C. Os resultados ficam prontos em 20 minutos e as pessoas que, por acaso, tenham a confirmação de alguma doença, passam a ter acesso a medicamentos padronizados pelo Ministério da Saúde. “Entre o diagnóstico e o início do tratamento decorrem duas semanas”, completa Fabiano.