• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Policial militar amamenta recém-nascido com fome Guaçuí

  • COMPARTILHE
Geral

Policial militar amamenta recém-nascido com fome Guaçuí

A mãe não teve leite suficiente para a amamentação. Ela foi até a 2ª Cia da PM para pedir uma informação e encontrou a soldado, que se ofereceu para alimentar o bebê

O ato de generosidade de uma soldado da Polícia Militar de Guaçuí comoveu uma mãe na última segunda-feira (20). Sem leite para alimentar o filho recém-nascido, a mulher, que mora na zona rural do município, procurou a sede da 2ª Cia da PM para pedir uma informação. A policial Analu Araújo Rezende Barros, de 25 anos, percebendo que a criança estava com fome, se ofereceu para alimentar o bebê.

Os policiais contaram que o fato de pedir ajuda na Polícia Militar seria uma solicitação normal, mas pedir para alimentar o filho chamou a atenção dos militares. A mãe contou que não teve leite suficiente para alimentar a criança e precisa comprar leite para o filho. 

"Ela foi até a companhia pedir uma informação e começamos a conversar. As outras policiais pegaram a criança no colo e depois de uns 10 minutos, o bebê acordou e começou a chorar sem parar. Perguntei se ela estava amamentando e ela disse que o leite não era suficiente. Ela disse também que estava sem dinheiro para comprar o leite necessário para complementar a alimentação", explica Analu.

A criança chorava muito de fome. A soldado Analu, que tem dois filhos e ainda amamenta um deles, perguntou para a mãe se poderia alimentar a criança. Ela autorizou e a policial pegou o recém-nascido para amamentar. "Foi natural, um instinto de mãe. Ele estava com fome e mamou bastante. Depois caiu no sono novamente. Fiz o que qualquer mãe teria feito nesse caso, e o que gostaria que fizessem, caso fosse os meus filhos", continua.

A atitude da policial emocionou os colegas de trabalho, que disseram que não foi um atendimento de ocorrência, e sim um gesto de solidariedade. "Não sabemos quem ela é ou de onde é. Ela não foi até a companhia pedir dinheiro ou fazer um ocorrência. Foi pedir uma informação e eu quis ajudar ao perceber que a criança estava com fome", completa a policial.