• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Remédio para transplantados está em falta nas farmácias do ES

  • COMPARTILHE
Geral

Remédio para transplantados está em falta nas farmácias do ES

O micofenolato de sódio só está disponível em três das dez farmácias populares do Estado. Falta do medicamento pode até levar o paciente à morte

Micofenolato de sódio está em falta em sete das dez farmácias populares do Estado

Um medicamento para transplantados está em falta, há cerca de duas semanas, em sete das dez farmácias cidadãs em funcionamento no Espírito Santo. De acordo com médicos, a falta do micofenolato de sódio pode causar a insuficiência do órgão doado e até a morte do paciente.

O remédio é de alto custo e não pode ser encontrado nas farmácias comuns. Ele é distribuído pelo Ministério da Saúde e pacientes transplantados podem retirá-lo gratuitamente nas farmácias cidadãs. No entanto, no Espírito Santo, o micofenolato de sódio só está disponível nas unidades de Colatina, Serra e Venda Nova do Imigrante. 

O médico Alaor Pavesi explica que o medicamento é um imunossupressor que evita a rejeição do órgão transplantado. "Você pega o fígado de uma outra pessoa, que é totalmente estranho, e coloca dentro do seu corpo. E o organismo vê que está sendo invadido por alguma coisa que está fazendo mal para ele. Então o micofenolato, que é um imunossupressor, retira essa agressividade do organismo contra o fígado. Ele protege o fígado que você pegou de outra pessoa e botou dentro do seu corpo", ressalta.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que a última entrega desse medicamento aos estados aconteceu em outubro e que uma nova remessa foi comprada na sexta-feira passada e deve ser distribuída na semana que vem. No entanto, Pavesi alerta que o organismo do transplantado não pode ficar muito tempo sem a medicação.

"O paciente pode ir perdendo a função do fígado. [A falta do medicamento] vai destruindo o fígado e, inclusive, pode, se você não voltar logo com o medicamento e fazer a imunossupressão de novo, chegar até a morte", destacou.