• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Após veto do STF, estudante faz aborto na Colômbia

  • COMPARTILHE
Geral

Após veto do STF, estudante faz aborto na Colômbia

Rebeca Mendes Silva viajou para Bogotá com passagem e hospedagem pagos por uma ONG e fez o aborto numa clínica particular

A gestação foi interrompida de forma legal Foto Ilustrativa/ EBC

São Paulo - A estudante Rebeca Mendes da Silva Leite, de 30 anos, tomou a decisão de fazer a interrupção da gravidez de forma legal na Colômbia, depois que teve seu pedido para abortar negado pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF). 

A possibilidade de fazer o procedimento na Colômbia surgiu quando foi convidada para participar de um seminário em Bogotá organizado pelo Consórcio Latino-americano contra o Aborto Inseguro (Clacai), uma ONG voltada à pesquisa sobre direitos reprodutivos. Passagem e hospedagem foram pagos por essa organização.

Rebeca estava grávida de sete semanas, segundo divulgado no sábado, 9, pelo Anis - Instituto de Bioética. Ele e o PSOL elaboraram uma ação, pedindo ao STF uma liminar que autorizasse Rebeca, estudante de Direito e mãe de dois meninos, a abortar. O caso foi revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Com a gestação avançando, ela passou a buscar opções na América Latina. "Aqui (na Colômbia) há a compreensão sobre o que eu estava passando e o que queria fazer com o meu corpo. O procedimento ocorreu sem grandes problemas, sem nenhum empecilho", afirmou Rebeca, segundo o comunicado distribuído pelo Anis.

A interrupção de gravidez é um procedimento autorizado pela Corte Constitucional da Colômbia desde 2006, em três circunstâncias: quando a gravidez coloca em perigo a saúde física ou mental da mulher, quando a gestação é resultado de estupro ou incesto e em caso de más-formações do feto. "Para viver um procedimento de aborto com segurança, Rebeca teve de ir a um país vizinho que reconhece que qualquer gestação indesejada é uma gestação de risco pelo sofrimento que impõe às mulheres" disse ao Anis Gabriela Rondon, uma das advogadas de Rebeca Mendes.

"Aqui, na Colômbia, fui muito bem orientada. Eu fiz a interrupção da gravidez e já saí com o método contraceptivo que escolhi. Na Colômbia, recebi carinho e atenção de pessoas que não são da minha pátria, mas que entendem a minha luta", afirmou Rebeca. 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.