• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

GVBus diz que nove reuniões já foram feitas para negociar com o Sindirodoviários

  • COMPARTILHE
Geral

GVBus diz que nove reuniões já foram feitas para negociar com o Sindirodoviários

Na manhã desta quarta-feira (27), passageiros reclamaram que os motoristas estão passando direto pelos pontos de ônibus e que os coletivos estão demorando a passar

O Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus) informou, por meio de nota, na manhã desta quarta-feira (27), que desde novembro, vem sendo realizadas reuniões com representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Espírito Santo (Sindirodoviários) para negociações.

A nota diz ainda que o Sindirodoviários se manteve resistente durante as reuniões e que a categoria recebe o maior vale-alimentação do país no setor de transporte urbano. São R$ 684 por mês.

A greve continua nesta quarta-feira (27) e os passageiros reclamam que os motoristas estão passando direto pelos pontos de ônibus e que os coletivos estão demorando a passar, e quando chegam, estão lotados. Enquanto o impasse entre os rodoviários e o sindicato patronal persiste, a população continua no aperto.

Leia a nota na íntegra

Desde novembro o GVBus está sentando para negociação junto ao Sindirodoviários. De lá até aqui, houve nove encontros. Nesse período, com responsabilidade, e absoluta transparência, mostramos as condições economicamente frágeis dos consórcios de transporte coletivo da Grande Vitória. Porém, o Sindirodoviarios se manteve intransigente na sua proposta de reajuste com ganhos reais absurdos. Dessa forma, reiteramos o que temos dito: o sindicato dos trabalhadores está ciente de que não há possibilidade de arcar com qualquer reajuste além de 1,83%, índice de inflação com base no INPC. Não há nenhuma nova reunião prevista porque o processo de dissídio coletivo já tramita na justiça (Tribunal Regional do Trabalho), e a pauta para julgamento está marcada para o dia 10 de janeiro. E mais uma vez lembramos que, por isso, não vemos justificativa para a realização de uma greve.

Além disso, é importante dizer: os rodoviários da Grande Vitória recebem o maior vale-alimentação do país no setor de transporte urbano. São R$ 684,00 por mês. O salário do motorista hoje é de R$ 2.164,48 e do cobrador R$ 1.125,58. Somados a isso o plano de saúde familiar de R$ 158,74 (parte paga pela empresa) e o seguro de vida em grupo de R$ 10,50, a remuneração total do motorista chega a R$ 3.017,78 e do cobrador R$ 1.978,88. Destacamos ainda que entre 2009 e 2016, o ganho real da categoria totalizou 33,4% - aumento salarial de 93,1% contra uma inflação de 59,7%.

O Folha Vitória tentou contato com o presidente do Sindirodoviários, Edson Bastos, para repercutir a nota do GVBus, mas não teve retorno até a publicação desta reportagem.

Audiência

Durante audiência de conciliação, que aconteceu na tarde da última terça-feira (19), no TRT-ES, o Sindirodoviários se comprometeu a só deflagrar a greve a partir da 0 hora do dia 26. A princípio, os rodoviários pretendiam iniciar a paralisação no dia 19, mas decidiram acatar a decisão da Justiça, que determinou que, entre os dias 19 e 26 de dezembro, 100% da frota deveria estar em circulação.

Por meio de nota, o Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus) disse que após várias tentativas de acordo sem sucesso com o Sindirodoviários, inclusive com a mediação do Ministério Público e do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), agora caberá ao tribunal julgar a situação.

Sore o reajuste, a GVBus afirma que "as empresas da Grande Vitória não têm condições de arcar com qualquer reajuste além de 1,83%, índice de inflação com base no INPC". Por conta disso, a Companhia reitera que 'não há mais necessidade de realização de uma greve, uma vez que o processo de decisão a respeito do ajuste já está nas mãos do Tribunal Regional do Trabalho, que irá julgar o discídio coletivo".

Leia também

--> No 2º dia de greve, população reclama de atrasos e superlotação em ônibus

--> GVBus alega que rodoviários não estão cumprindo plano de operação mínima