• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Retrospectiva Folha Vitória: relembre os dez casos que abalaram o País em 2017

  • COMPARTILHE
Geral

Retrospectiva Folha Vitória: relembre os dez casos que abalaram o País em 2017

Relembre os dez casos que serão lembrados com tristeza pelos brasileiros

Baleia Azul, jovem que morreu ao dar carona, Geddel e a professora agredida foram casos que marcaram o ano

O ano de 2017 foi marcado por vários casos que sempre serão lembrados, e o jornal online Folha Vitória publica a Retrospectiva 2017, com reportagens que marcaram o ano por diversos fatores. 

1) Guarda ateia fogo em creche e mata 13 pessoas

Um vigia ateou fogo, na manhã do dia 5 de outubro, na creche municipal Centro Infantil Gente Inocente, na cidade de Janaúba, no norte de Minas Gerais. Ao todo, 13 pessoas morreram, entre elas, nove crianças. A professora Heley de Abreu Batista, de 43 anos, uma das vítimas da tragédia, morreu após salvar dezenas de crianças.

Na época, a polícia informou que o autor do crime, Damião Soares dos Santos, de 50 anos, tinha síndrome persecutória, doença em que as pessoas acham que são perseguidas por alguém. Em 2014, ele denunciou a mãe por envenenar o pai, que morreu de causas naturais.

2) Adolescente de 14 anos mata colegas em Goiânia

No dia 20 de outubro de 2017, um adolescente de 14 anos matou dois colegas a tiros e deixou quatro feridos no Colégio Goyases, em Goiânia. Ele foi condenado à pena de 3 anos de reclusão em um centro de internação localizado no interior de Goiás. A reclusão de 3 anos é a pena máxima que o garoto poderia receber, conforme previsto pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).  No dia em que o adolescente entrou na escola atirando, ele acertou os colegas João Pedro Calembo e João Vitor Gomes, ambos de 13 anos. Os dois não resistiram e morreram no local.

Disparos

Na época, estudantes contaram que o menino jamais havia ameaçado levar uma arma ao colégio e que, a princípio, não identificaram o barulho dos disparos como sendo tiros. 

No portão de entrada do Colégio Goyases, uma faixa com os dizeres "Família Goyases em luto" foi afixada na época. Acima dela, outra anunciava a realização da mostra científica que aconteceria na escola.

3) Homem ejacula em mulher dentro de ônibus

Um homem foi solto após ejacular em mulher dentro de um ônibus em setembro, no estado de São Paulo. Após ser liberadoDiego Ferreira de Novais, de 27 anos, foi preso novamente por atacar uma mulher.

O caso repercutiu em todo o País e gerou discussão nas redes sociais. 

4) Professora é agredida por aluno de 15 anos

A professora Marcia Friggi usou o Facebook para denunciar ter sido agredida com socos por um aluno de 15 anos na escola onde leciona no município de Indaial, em Santa Catarina, no dia 21 de agosto. Conforme o relato, a educadora pediu que o adolescente colocasse o livro utilizado na aula sobre a mesa. Com a negativa do rapaz e uma agressão verbal como resposta, Marcia pediu que ele se retirasse da sala.

O adolescente que agrediu a professora tem histórico de agressão à mãe, além de evasão escolar, envolvimento com drogas e histórico de medidas alternativas. Ele já havia cumprido medida alternativa após agredir a mãe. As informações foram publicadas pelo Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC).

5) Suspeito de roubo é torturado e tatuado: 'Eu sou ladrão e vacilão'

Como esquecer esse caso? Um vídeo compartilhado nas redes sociais no dia 9 de junho mostra um jovem, acusado pelos autores da gravação de roubo, sendo tatuado na testa com a frase 'eu sou ladrão e vacilão'. De acordo com matéria publicada no Portal R7, a vítima da agressão é um rapaz de 17 anos, que estaria desaparecido desde o dia 31 de maio.

Ainda segundo a publicação, o tatuador Maicon Carvalho dos Reis e seu vizinho, Ronildo Moreira de Araújo, foram presos em flagrante, pela Polícia Civil, no centro de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. Eles foram indiciados pelo crime de tortura, que pode levar a pena de dois a oito anos de prisão, podendo aumentar a dez anos, caso seja caracterizada lesão corporal grave.

6) As malas de Geddel

Em uma operação para cumprir mandado de busca e apreensão, emitido pela 10ª Vara Federal de Brasília, Polícia Federal (PF) encontrou no dia 5 de setembro de 2017, várias caixas e malas com dinheiro em imóvel na Rua Barão de Loreto, no bairro da Graça em Salvador, "que seria, supostamente, utilizado por Geddel Vieira Lima [ex-ministro] como 'bunker' para armazenagem de dinheiro em espécie”. 

Operação Cui Bono

A primeira fase da Operação Cui Bono foi deflagrada pela PF em 13 de janeiro de 2017. Ela investigou esquema de fraude na liberação de créditos da Caixa Econômica Federal no período entre 2011 e 2013. De acordo com a investigação, entre março de 2011 e dezembro de 2013, a vice-presidência de Pessoa Jurídica da instituição era ocupada por Geddel Vieira Lima.

7) Baleia Azul: o jogo que induz jovens ao suicídio

A Polícia Civil do Rio investigou em 2017, um jogo de internet que levava jovens a mutilações corporais e até ao suicídio. Conhecido como Baleia Azul, o jogo era praticado em comunidades fechadas de Facebook e Whatsapp. Ele instigava os jogadores, a grande maioria adolescentes, a cumprirem 50 tarefas, sendo que a última delas era o suicídio.

O 'Desafio da Baleia Azul', ou 'Blue Whale', começou em 2016, na Rússia e chegou ao Brasil em 2017, podendo ser, inclusive, o responsável pela morte de uma estudante de 16 anos em Mato Grosso do Sul.

Na época em que houve a investigação, uma psicóloga do ES alertou para o jogo que envolvia automutilação e suicídio entre adolescentes. 

8) Meninas são encontradas mortas dentro de porta malas

Duas meninas de três anos foram foram encontradas mortas no dia 12 de outubro. Os corpos de Adriely Mel Porto e Beatriz Moreira dos Santos estavam desaparecidas desde o dia 24 de setembro. Elas foram encontradas mortas dentro do porta malas de um carro em uma comunidade em São Miguel Paulista. Uma das mães fez o reconhecimento da filha por meio das roupas que ela estava usando no dia do desaparecimento.

Dois homens foram espancados, no dia 16 de outubro, por supostos integrantes de uma facção criminosa, quatro dias após as duas meninas que estavam desaparecidas serem encontradas mortas.

9) Delação JBS- 'Tem que manter isso, viu?'

'Tem que manter isso, viu?', disse o presidente Michel Temer (MDB) sobre mesada milionária ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB), segundo revelou o executivo Joesley Batista, do Grupo JBS. A informação foi revelada com exclusividade pelo jornalista Lauro Jardim, no site do jornal O Globo em maio de 2017.

Joesley disse ter gravado conversa com Temer na noite de 7 de março durante reunião de cerca de 40 minutos no Palácio do Jaburu. O executivo contou que comentou detalhes com o presidente da mesada também paga ao lobista Lúcio Funaro, antigo aliado de Cunha. 

Em depoimento aos procuradores da força-tarefa da Lava Jato, Joesley disse que 'não foi' Temer quem determinou a mesada a Eduardo Cunha. Mas afirmou que o presidente 'tinha pleno conhecimento' da operação pelo silêncio do peemedebista. 

10) Jovem dá carona e é assassinada

Mais um caso de crueldade registrado em 2017 foi o da jovem Kelly Cristina Cadamuro, de 22 anos. Ela foi assassinada morta ao dar carona para um desconhecido após entrar em um grupo de caronas para reduzir os gastos com viagens e economizar dinheiro para o casamento, segundo seus familiares. O namorado confirmou que o plano do casal era financiar uma casa, por isso os dois guardavam dinheiro. Alguns móveis já haviam sido comprados.

Ela viajava com frequência de Guapiaçu, na região de São José do Rio Preto, onde morava, para Itapagipe, em Minas Gerais, onde reside o namorado, o engenheiro Marcos Antônio da Silva, de 28 anos. Para dividir as despesas, a jovem compartilhava as viagens com pessoas do grupo formado por meio do aplicativo WhatsApp. Exames confirmaram que ela foi agredida e estrangulada.

Suspeito cumpria pena por 8 crimes

O principal suspeito do crime, Jonathan Pereira do Prado, estava foragido do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de São José do Rio Preto desde março de 2017. Cumprindo pena por oito crimes, entre eles roubo, furto, extorsão e ameaça, ele foi beneficiado com a chamada 'saidinha', uma saída temporária da prisão para comemorar a Páscoa, e não retornou.

Retrospectiva Folha Vitória

--> Sumiço de Thayná mobilizou o Estado e suspeito foi preso em Porto Alegre

--> Febre amarela, dengue e chikungunya marcaram o ano de 2017

--> Tragédias e cobrança por duplicação deixaram BR-101 em evidência

--> Relembre o período de maior crise na segurança pública do Espírito Santo