• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Caso Milena Gottardi: Justiça autoriza Hilário Frasson a não comparecer em audiência

  • COMPARTILHE
Polícia

Caso Milena Gottardi: Justiça autoriza Hilário Frasson a não comparecer em audiência

O juiz aceitou o pedido da defesa do policial civil Hilário Frasson, para que o réu fosse dispensado da próxima audiência, no município de Fundão

André Vinicius Carneiro

Redação Folha Vitória
Hilário é acusado de ser um dos mandantes do assassinato da médica Milena Gottardi. 

O juiz Marcos Pereira Sanches, da 1ª Vara Criminal de Vitória, responsável pelo julgamento do assassinato da médica Milena Gottardi, aceitou o pedido da defesa do policial civil Hilário Frasson, para que o réu fosse dispensado da próxima audiência do caso, marcada para ser realizada na próxima segunda-feira (26), na comarca de Fundão. 

No despacho publicado nesta quarta-feira (21), o magistrado, ao deferir a dispensa, solicita que a Secretaria de Estado de Justiça (Sejus) seja comunicada da 'desnecessidade de conduzir o acusado Hilário para a(s) audiência(s) designada(s)'.

Procurado pela reportagem do jornal online Folha Vitória na manhã desta quinta-feira, o advogado Leonardo Gagno, responsável pela defesa de Hilário após a renúncia de Homero Mafra, justificou o pedido alegando a falta de conforto emocional e física do réu. Ainda segundo o advogado, a viagem é desgastante para o cliente. "A presença do Hilário na audiência é desnecessária, pois eu vou acompanhar as oitivas das testemunhas", relatou.

O advogado da família da médica Milena Gottardi, Renan Salles, disse que a dispensa do réu é um direito da defesa. "Encaro com absoluta normalidade [o não comparecimento de Hilário à audiência]. Se a defesa técnica, junto com o réu, entenderam que não há necessidade da presença do Hilário, acredito que não deve interferir nas oitivas das testemunhas. É um direito facultativo durante o ato processual", afirmou. 

No próximo dia 26, serão ouvidas as últimas testemunhas de acusação do caso. Os depoimentos serão tomados no município de Fundão, onde vivem familiares da vítima e dos réus. A defesa dos réus Bruno e Dionathas chegou a solicitar à Justiça que os clientes não participassem dessas audiências. Mas diante do pedido da comarca da região, os dois devem comparecer.

Entre os depoimento mais aguardados, estão o do dono do sítio onde a motocicleta foi encontrada pela polícia, e o do caseiro da propriedade. 

Depoimento de Hilário

No dia 12 de abril, serão ouvidos, na capital, Hilário Frasson e o pai dele, Esperidião Frasson, acusados de serem os mandantes do crime, além dos intermediários Valcir Dias e Hermenegildo Palauro Filho.

Após o interrogatório dos réus, o juiz responsável deve ouvir as alegações finais da acusação e da defesa. Em seguida, vai decidir se os seis acusados serão levados a júri popular.

A expectativa do advogado de Bruno é de que, ao final das audiências de instrução, o réu seja liberado do processo. "Não há nenhuma prova técnica, direta, de que o Bruno participou do crime", disse o advogado. 

Leia também:

>> Acusados de participação no assassinato de Milena Gottardi têm pedidos de Habeas Corpus negado

>> Padre se recusa a responder perguntas de advogado e é liberado de audiência do Caso Milena

>> Caso Milena: assassinato da médica completa quatro meses. Relembre os principais fatos

Depoimento do executor

De acordo com depoimento de Dionathas Alves Vieira, realizado no último dia 23 de fevereiro no Fórum Criminal de Vitória, o policial civil Hilário Frasson, preferia que o crime fosse cometido no município da Serra, alegando tráfico de influência.

Dionathas afirmou ainda que Valcir da Silva Dias e Hermenegildo Palauro Filho chegaram a falar em valores entre R$ 50 mil e R$ 100 mil, além de uma carreta para que, se necessário, ele assumisse toda a responsabilidade pelo crime.

Segundo o depoimento de Dionathas, os detalhes da morte de Milena foram definidos dentro de uma caminhonete, nas proximidades de um posto de combustíveis, no município da Serra. Porém, o assassinato acabou sendo transferido para Vitória.

Vieira passou mais de quatro horas em frente ao juiz. Dizendo-se arrependido, o homem apontado como executor de Milena voltou a confessar o crime, mas negou que o cunhado Bruno Rodrigues soubesse da trama para a morte da médica. Ele confirma que Rodrigues foi quem conseguiu a motocicleta usada no crime, mas diz que ele não sabia a finalidade do veículo.

O crime

A médica foi baleada no Hospital das Clínicas, em Vitória, no dia 14 de setembro do ano passado. Um dos tiros atingiu a cabeça dela. Ela chegou a ser internada, mas morreu no dia seguinte, no hospital. Hilário e o pai dele, Esperidião Frasson, são acusados de encomendar o crime. Para isso, eles teriam contado com a ajuda dos intermediários Hermenegildo Palauro Filho e Valcir Dias. O cunhado de Dionathas, Bruno Rodrigues, teria cedido a moto usada pelo executor no crime.