• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Aplicativo de celular pode ter ajudado bandidos a fugir da polícia em Vitória

  • COMPARTILHE
Polícia

Aplicativo de celular pode ter ajudado bandidos a fugir da polícia em Vitória

Cinco criminosos conseguiram escapar de uma operação realizada nesta segunda-feira, que teve como objetivo prender suspeitos de homicídios

Por meio do aplicativo, qualquer cidadão pode consultar mandados de prisão

Um suspeito de envolvimento em homicídios na região da Ilha de Santa Maria, em Vitória, foi preso durante uma operação da Polícia Civil nesta segunda-feira (21). No entanto, cinco criminosos que também possuem mandados de prisão em aberto pelo mesmo crime conseguiram fugir da polícia e são considerados foragidos.

A polícia suspeita que a quadrilha tenha conseguido informações sobre os mandados de prisão por meio de um aplicativo de celular, o Sinesp Cidadão, desenvolvido pela Secretaria Nacional de Segurança Pública. A plataforma disponibiliza todos os mandados de prisão expedidos no Brasil e pode ser consultada por qualquer pessoa.

"Nós estamos estudando uma forma, junto ao Poder Judiciário, de encontrarmos uma solução para evitarmos que eles tenham acesso tão rápido quanto a gente às informações", ressaltou o superintendente de Polícia Especializada, José Darcy Arruda.

De acordo com o titular da Delegacia de Crimes Contra a Vida (DCCV) de Vitória, delegado Marcus Vinícius de Souza, a quadrilha possuía um integrante responsável por fazer o levantamento dessas informações.

"Essa quadrilha tem um elemento que sua função principal é consultar esse sistema para verificar a existência de mandados de prisão em aberto. Esse elemento teria a função de fazer consultas nesse aplicativo e, havendo mandado de prisão em aberto, comunicar aos demais integrantes da quadrilha, para que eles saiam do bairro e evitem ser presos", frisou o delegado.

Kaio foi o único preso durante a operação da Polícia Civil nesta segunda-feira

A Operação Crassus, deflagrada pela DCCV de Vitória, contou com a participação de 125 policiais e teve como objetivo cumprir 13 mandados de busca e apreensão e seis mandados de prisão. De acordo com a Polícia Civil, os alvos da operação fazem parte de uma quadrilha que comanda o tráfico de drogas na Ilha de Santa Maria e estão envolvidos em quatro homicídios e sete tentativas cometidos nos últimos 11 meses.

O único preso foi Kaio Sousa Rodrigues, de 18 anos, conhecido como "GT". Ele tinha um mandado de prisão por homicidio e foi preso em casa. Com ele, a polícia encontrou drogas e munição.

Segundo a Polícia Civil, Kaio confessou a participação em um homicídio ocorrido em junho do ano passado. Lucas Rodrigues Casagrande foi morto em um pagode, depois de esbarrar em um dos integrantes da quadrilha.

Além de Kaio, um adolescente de 15 anos foi apreendido. Segundo a polícia, ele estava em um dos locais de busca e apreensão e guardava drogas e um revólver calibre 38 com a numeração raspada.

Foragidos

Já os outros cinco alvos da operação conseguiram fugir. São eles: Tiago Ortencio Brito, de 20 anos, conhecido como "Chuck"; Gustavo dos Santos, de 24, o "Gordin"; Leandro Reis Ramos, de 23, o "Jurubeba"; Evandro Rodrigues da Silva, de 21, o "Cabelin"; e Ramon Batista de Anchieta, de 23 anos.

Chuck, Gordin, Jurubeba, Cabelin e Ramon escaparam e estão sendo procurados pela polícia

Gordin é apontado pela polícia como chefe da organização criminosa. De acordo com as investigações, a quadrilha tem como base os becos São Cosme e São Damião, onde um dos crimes foi cometido.

A polícia tinha informações de que os criminosos usavam um imóvel como esconderijo e base da quadrilha. No entanto, ao chegarem ao local, os policiais se depararam com a casa abandonada.

Vizinhos contaram aos policiais que os moradores usaram uma desculpa, disseram que a casa era pequena demais, e foram embora na noite da última sexta-feira (18), deixando os pertences para trás. Segundo a polícia, os suspeitos saíram da casa no mesmo dia em que os mandados de prisão foram expedidos.