Operação prende 5 pessoas envolvidas em vingança pela morte do sargento Romania

Polícia

Operação prende 5 pessoas envolvidas em vingança pela morte do sargento Romania

A operação do Gaeco, com o setor de inteligência da Polícia Militar, cumpriu cinco mandados de prisão nesta sexta-feira (13)

Foto: Montagem / Folha Vitória

Uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) prendeu cinco pessoas investigadas por vingança no caso da morte do Sargento Romania, em fevereiro deste ano. 

A operação do Gaeco, com o setor de inteligência da Polícia Militar, cumpriu cinco mandados de prisão nesta sexta-feira (13). Duas pessoas foram encaminhadas ao DPJ de Vila Velha.

Um dos presos foi detido em casa, no bairro Vila Batista. Ele tem 26 anos, é universitário e trabalha em uma farmácia. O advogado dele não revelou muitos detalhes, exceto que ele está sendo investigado por envolvimento em um homicídio.

Já o outro, de 38 anos, também foi preso em casa, no bairro Pedra dos Búzios. Com ele, havia uma série de materiais como arma, munição, faca, algemas, carregador e até uma peruca.

Fontes ligadas à Segurança Pública confirmaram que os dois presos tinham mandado de prisão temporária em aberto por serem investigados por uma vingança ligada à morte do sargento, em Joana Darc.

O que as fontes informaram é que, quando Romania foi assassinado, um grupo de três policiais militares se uniu para vingá-lo. Esses militares teriam contato com o apoio de duas pessoas, presas nesta sexta, para chegar a um dos envolvidos no homicídio de Romania. Esses policiais teriam matado esse que participou do assassinato do sargento.

Segundo fontes, os militares detidos foram levados ao quartel da Polícia Militar, em Maruípe. Após a morte do sargento, cerca de um mês depois a polícia chegou aos cinco envolvidos no caso. Todos foram presos.

A Polícia Civil informou que duas pessoas com mandado de prisão em aberto foram conduzidas à Delegacia Regional de Vila Velha e o procedimento se encontra em andamento. As investigações são conduzidas pelo Ministério Público do Espírito Santo.

*Com informações da repórter Nathália Munhão, da TV Vitória/Record TV