Tráfico internacional de drogas: entenda esquema que envolvia mergulhadores do ES

Polícia

Tráfico internacional de drogas: entenda esquema que envolvia mergulhadores do ES

Operação internacional apreendeu mais de 280 kg de cocaína na Indonésia e na Austrália. As investigações começaram após um capixaba ser contratado por traficantes internacionais

Foto: Divulgação / Polícia Federal

Um australiano foi preso e mais de 280 kg de cocaína apreendidos em dois países em uma operação internacional de combate ao tráfico de drogas. As investigações contam com a participação de agentes das Forças de Segurança do Espírito Santo. 

Um capixaba, que teria envolvimento com o esquema, morreu na última terça-feira (10) após se afogar. A suspeita é que ele tenha tido problemas no equipamento de mergulho quando tentava resgatar drogas no casco de embarcações. 

A investigação do caso é composta por policiais federais e rodoviários federais no Espírito Santo, guardas municipais de Vitória, Vila Velha e da Serra, além da cooperação internacional com a Agência Antidrogas dos Estados Unidos (DEA), policiais cataris, indonésios e australianos. Entenda:

Investigações começaram após mergulhador capixaba ser contratado por traficantes internacionais

De acordo com a Polícia Federal do Brasil, a investigação começou em 10 de abril, ainda no Espírito Santo. A ação buscava identificar um mergulhador profissional capixaba que teria sido contratado por traficantes internacionais para a colocação de uma carga de cocaína no casco de um navio que seguiria para o exterior.

LEIA TAMBÉM: VÍDEO | Polícia Federal apreende 225 kg de cocaína em navio que sairia do ES para a Itália

A polícia informou que, quando conseguiu identificar o suspeito, ele já havia fugido para o Catar. Os agentes das forças de segurança locais monitoraram o rapaz por alguns dias. 

Foto: Divulgação / Polícia Federal

Os investigadores descobriram que outro brasileiro, também mergulhador, se juntou ao capixaba e ambos compraram passagens para Bali, na Indonésia.

LEIA TAMBÉM: Capixaba flagrado com 7 kg de cocaína na Tailândia pode ser condenado à pena de morte

Com apoio da DEA (Drugs Enforcement Administration), uma estrutura de vigilância foi montada no Aeroporto de Bali. Os agentes identificaram onde a dupla estava hospedada.

Suspeitos fugiram em um veleiro para a Austrália

Uma semana depois, de acordo com as investigações, os homens embarcaram em um veleiro de um francês, acompanhados de dois tripulantes australianos. O grupo seguiu em direção a Austrália. 

Segundo a Polícia Federal, não foi possível realizar o acompanhamento do veleiro em alto mar por conta da logística necessária. No entanto, no mesmo período, os oficiais indonésios perceberam que um cargueiro havia desligado o equipamento que permite acompanhar a localização dos navios, Automatic Identification System.

A manobra incomum chamou a atenção das autoridades locais. Uma equipe foi ao ponto onde havia sido registrado a última localização da embarcação e encontrou uma carga de 179 kg de cocaína submersa e amarrada em uma boia marítima. 

Foto: Divulgação / Polícia Federal

Capitão James Blee foi preso na operação internacional

O veleiro foi abordado pela Polícia Federal da Austrália em Darwin. Na embarcação, apenas um dos tripulantes australianos foi encontrado, o capitão James Blee. Ele acabou preso. 

O filho do capitão, o segundo tripulante e os brasileiros não foram localizados. As buscas continuaram.

Corpo foi encontrado na Austrália 

Na última terça-feira (10), moradores da região de Newcastle, na Austrália, encontraram um homem nas imediações do porto local. A vítima, um mergulhador do Espírito Santo, estava inconsciente, com roupas e equipamentos modernos de mergulho. Apesar das tentativas para socorrê-lo, o homem acabou morrendo.

A Polícia Federal informou que, próximo ao corpo, foram encontrados pacotes impermeabilizados com 54 kg de cocaína, avaliado em milhões de reais. A partir do local da ocorrência e outras informações das investigações, a polícia australiana conseguiu encontrar outros 50 kg da droga no interior da estrutura de um navio aportado na região.

De acordo com a Polícia Federal, em breve, os nomes dos suspeitos serão divulgados e colocados na lista de foragidos internacionais da Interpol.