• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Dois suspeitos de assaltar joalheria no Centro de Vitória são identificados pela polícia

  • COMPARTILHE
Polícia

Dois suspeitos de assaltar joalheria no Centro de Vitória são identificados pela polícia

O inquérito está sendo concluído com o indiciamento dos suspeitos e, se condenados, eles podem pegar até 25 anos de prisão

Dois suspeitos de assaltar uma joalheria no Centro de Vitória, em julho do ano passado, foram identificados. De acordo com a polícia, João Paulo Ferreira, de 23 anos, é fugitivo da Casa de Custódia de Vila Velha desde outubro. Já Gabriel Freitas Borgui, foi preso por um assalto e solto em abril de 2017.

Os dois teriam recebido ajuda de outros dois comparsas: Welerson Gomes dos Santos Reis, de 22 anos, e Francisco Alves da Silva Lisboa, de 29. A ação foi rápida e durou cerca de 5 minutos. Foram roubados jóias e relógios e, após o assalto, o grupo fugiu em direção ao Morro do Moscoso. A identificação dos suspeitos foi feita por meio de reconhecimento fotográfico.

"Eles foram presos por outros crimes, então só temos agora em liberdade dois foragidos dois dessa organização e um ainda não foi identificado", afirmou o delegado Fábio Pedroto.

O inquérito está sendo concluído com o indiciamento dos suspeitos. Se condenados, eles podem pegar até 25 anos de prisão. Mas a polícia acredita que o grupo tenha ligação com vários assaltos a estabelecimentos comerciais no Centro da Capital.

"Todos os envolvidos nesse crime tem uma extensa ficha criminal, portanto, chegamos a esses nomes através do reconhecimento e através de levantamentos de antecedentes e modo de atuação. Eles chegavam nos lugares sempre vestidos adequadamente, entravam sem levantar qualquer tipo de suspeita e anunciavam o roubo", explicou.

Um quinto integrante da quadrilha, segundo o delegado, também foi identificado pelas vítimas. Mas a polícia ainda não conseguiu qualificá-la.

"Segundo nossos levantamentos, ele usaria alguns nomes e apelidos para dificultar a investigação da polícia, mas temos as fotos dele e acreditamos que as pessoas que o reconheçam, possam nos passar mais informações", afirmou o delegado.