• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Espírito Santo tem maior redução de homicídios contra mulheres na última década

  • COMPARTILHE
Polícia

Espírito Santo tem maior redução de homicídios contra mulheres na última década

A constatação é do Atlas da Violência 2018, que apontou uma redução de 49,3% na taxa de homicídios contra mulheres entre 2006 e 2016 no Estado

Rodrigo Araújo

Redação Folha Vitória
Redução na taxa de homicídios contra mulheres no ES foi a maior do Brasil

O Espírito Santo foi o estado brasileiro que apresentou a maior redução na taxa de homicídios contra mulheres entre 2006 e 2016. A constatação é do Atlas da Violência 2018, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e divulgado nesta terça-feira (05).

Segundo o levantamento, o número de mulheres assassinadas a cada 100 mil habitantes sofreu redução de 49,3% em dez anos no Espírito Santo. Até 2012, o Estado liderava o ranking nacional de taxa de homicídios contra mulheres.

A partir de 2014, esse índice começou a cair e, em 2016, ele foi de 5,2 mulheres mortas a cada 100 mil habitantes. A mesma taxa chegou a ser de 11,6 em 2009. A redução verificada entre 2015 e 2016 também foi significativa: 24,1%, perdendo apenas para o Piauí (25,8%).

Mulheres negras

O Atlas da Violência apontou ainda que, considerando-se os dados de 2016, a taxa de homicídios no Brasil é maior entre as mulheres negras que entre as não negras – uma diferença de 71%. Em relação aos dez anos da série, a taxa de homicídios para cada 100 mil mulheres negras no país aumentou 15,4%, enquanto que entre as não negras houve queda de 8%.

No Espírito Santo, houve queda nas taxas de homicídios tanto entre as mulheres negras quanto as não negras. No primeiro grupo, a redução foi de 35,8% entre 2006 e 2016, ao passo que, no segundo, ela foi ainda maior: 61,2%.

No entanto, no comparativo com o ano anterior, a redução na taxa de homicídios foi maior quando a vítima era uma mulher negra: 27,9%, contra 19,1% envolvendo mulheres não negras.