• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Ex-namorada de confeiteiro acusado de matar a cunhada na Serra é ouvida durante audiência

  • COMPARTILHE
Polícia

Ex-namorada de confeiteiro acusado de matar a cunhada na Serra é ouvida durante audiência

Outras três testemunhas de acusação prestaram depoimento nesta quarta-feira, no Fórum da Serra, durante a primeira audiência de instrução do caso

Na época do crime, Edgar usava uma farda e se identificou como policial | Foto: Reprodução

Quatro testemunhas de acusação foram ouvidas nesta quarta-feira (13), no Fórum da Serra, durante a primeira audiência de instrução do caso do confeiteiro Edgar Barreto Santos.

Umas das testemunhas foi a ex-namorada de Edgar, acusado de matar a ex-cunhada, Janiele das Neves Santos, e tentar matar o marido dela. O crime aconteceu em agosto de 2015, no bairro São Marcos, na Serra.

O suspeito foi preso em maio do ano passado pela Polícia Civil de Minas Gerais. Na época, Edgar constava na lista dos dez criminosos mais procurados do Espírito Santo.

Ainda não tem data marcada para as próximas audiências. A produção da TV Vitória/Record TV tentou falar com a advogada de defesa de Edgar, mas ninguém atendeu as ligações.

O crime

As investigações da Polícia Civil apontaram que o suspeito cometeu o crime para se vingar da ex-namorada, que havia rompido o relacionamento. Na época, testemunhas contaram para a polícia que Edgar vestia uma farda verde no momento do crime.

Após atirar contra as vítimas, ele saiu gritando pelas ruas de São Marcos, ordenando que o comércio fechasse as portas. Em seguida, ele parou um carro na rua, se identificou como policial e ordenou que o motorista o levasse para longe. A ex-namorada do suspeito conseguiu escapar, mas disse que, depois do ocorrido, recebeu várias ameaças de morte.

Ainda de acordo com a polícia, Edgar planejou o crime durante oito meses. Policiais encontraram, nas casas de familiares do suspeito, folhas de papel com todo o planejamento da execução, além de fardamento militar e uma arma de paintball. Edgar justificou a ação relatando que recebia ameaças da vítima e do marido dela.