• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Suspeito de matar jornalista é chamado de assassino ao deixar DML em Vitória

  • COMPARTILHE
Polícia

Suspeito de matar jornalista é chamado de assassino ao deixar DML em Vitória

Ele foi preso em uma escola do bairro Alvorada na manhã desta terça-feira (12)

Ele esteve no DML de Vitória durante a manhã para exames / Foto: Reprodução TV Vitória

Sendo chamado de assassino, o professor municipal Hamison dos Santos Nins, de 34 anos, namorado da jornalista Ana Carolina Sabino, de 25 anos, encontrada morta dentro da casa onde morava, deixou o Departamento Médico Legal (DML) de Vit´ória, na manhã desta terça-feira (12).

Ele é suspeito de ser o responsável pela morte da jovem. Hamison foi levado durante a manhã para prestar depoimento. Depois foi até o DML para fazer exames e em seguida foi encaminhado para o Centro de Triagem de Viana. Assim que deixou o DML para entrar na viatura, pessoas que estavam no local gritaram por justiça e chamaram o professor de assassino.

Os familiares da vítima estiveram no local e comemoraram a prisão do suspeito. Segundo o primo de Ana Carolina, desde o início a família não sentia algo bom no relacionamento dele com a vítima. “Ele era uma pessoa muito calada, na dele. Nós não tínhamos uma energia boa dessa pessoa, nem dele com a Ana Carolina. Quando o fato aconteceu, de imediato a gente tinha certeza de que não tinha sido suicídio”, afirmou Patrick de Angeli Moreira.

Os familiares contaram que o relacionamento dos dois durou cerca de dois anos, mas mesmo com o comportamento frio do professor, eles não imaginavam que ele tiraria a vida dela. “Nós notamos que ela estava muito triste nos últimos seis meses, mas ela não se abria. Ela também apareceu com um roxo, mas ela disse que tinha batido na escada. A gente já sabia que tinha acontecido alguma coisa estranha”, contou Eliana Amorim de Angeli, tia de Ana Carolina.

Ele é professor de português e foi preso dentro da escola em que dava aula, no bairro Alvorada, em cumprimento de mandado de prisão temporária. “A justiça foi feita. A justiça de Deus é sagrada. eu fiz muita oração e pedi para que se ele fosse culpado ele pagasse. E ele é culpado, pois foi preso”, destacou Gersia Amorim de Angeli, mãe da jornalista.