• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Assalto, tiroteio e prisão perto de escola em Jardim da Penha

  • COMPARTILHE
Polícia

Assalto, tiroteio e prisão perto de escola em Jardim da Penha

O suspeito foi parar no telhado da quadra de esportes do colégio

O suspeito disse que estava desempregado / Foto: Reprodução TV Vitória

Um tiroteio foi registrado nas imediações de uma escola no bairro Jardim da Penha, em Vitória. Os disparos partiram dos policiais militares após um homem de 34 anos invadir o pátio da escola. De acordo com a polícia, Rener Costa foi parar no telhado da quadra de esportes do colégio ao ser perseguido pelos PMs. Antes de cair da estrutura ele ainda teria ameaçado atirar nos policiais.

Segundo a polícia, momentos antes, Rener usou um revólver de brinquedo para praticar um assalto em um ponto de ônibus no bairro. Ele rendeu uma mulher, de 30 anos. Primeiro, ela contou com a ajuda de outra mulher para avisar à polícia. Depois, contou o que havia ocorrido a policiais que passavam em uma viatura.

Foram eles que perseguiram o suspeito. Com medo, durante o tiroteio, quem quem estava na área esportiva da escola correu em direção ao setor administrativo. Um vizinho do colégio disse que de casa ouviu os disparos. A preocupação maior do aposentado foi com a filha. “Eu ouvi o tiro, fiquei assustado e olhando. Minha filha estava do lado de fora e eu fiquei muito assustado e preocupado”, contou Marco Antônio.

Rener foi detido e levado ao hospital, antes de ser encaminhado à delegacia. Ele foi autuado por roubo e disse à polícia que está desempregado há 3 anos e resolveu assaltar a mulher. Para quem mora em Jardim da Penha, ocorrências desse tipo já se tornaram comuns no bairro. “A gente já teve bastante assalto aqui em Jardim da Penha. Toda semana praticamente a gente ouve um caso. Então, toda vez que eu saio de casa me certifico de que não estou levando celular, evito sair muito tarde, pois está tendo bastante assalto”, disse o professor Fernando Jorge.