"Como uma criança saudável morre assim?", diz tia-avó de menino morto em Vila Velha

Polícia

"Como uma criança saudável morre assim?", diz tia-avó de menino morto em Vila Velha

Jorge Teixeira da Silva Neto, de 2 anos, morreu nesta terça-feira (05). Segundo a polícia, o menino tinha sinais de tortura e estupro

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A família do menino de 2 anos que morreu nesta terça-feira (05) comentou o ocorrido nesta quarta-feira (06). A morte de Jorge Teixeira da Silva Neto é investigada pela polícia. A suspeita é de que a criança tenha sido vítima de tortura e estupro. Os pais foram presos.

No início da tarde desta quarta-feira (06), a tia-avó de Jorge esteve no Departamento Médico Legal, em Vitória, para liberar o corpo. Nitidamente abalada, como é de se esperar, a mulher, que preferiu não se identificar, contou que ficou em choque ao saber da morte da criança.

O menino foi internado na última segunda-feira (04) no Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves (Himaba). Na madrugada desta terça-feira (05), a família foi informada da morte. A causa, a princípio, seria um problema respiratório.

LEIA TAMBÉM: Morte de criança: pai diz à polícia que fez ritual para curar problema respiratório

Após a morte de Jorge, a tia-avó, que também é vizinha da família, esteve na casa  onde a criança morava. Ela percebeu que o irmão de Jorge, um bebê de apenas 8 meses, estava com sinais de dificuldade para respirar. Preocupada, ela resolveu levar o bebê para o hospital.

 "Foi a primeira vez que entrei na casa dela. Quando chego lá, me deparo com a criança. Por ser da área da saúde, minha preocupação foi com o menino (irmão da vítima) que estava com esforço respiratório. Pedi autorização para levar ele na assistência médica. Pensei: "se aconteceu com um, pode acontecer com outro", disse.

A mulher contou que não acreditou quando soube da morte de Jorge. "Foi um choque. Como uma criança saudável morre assim? Não acreditei. Como uma criança saudável morre de repente", desabafou emocionada.

Sinais de tortura chamaram a atenção da equipe médica

A equipe médica que atendeu Jorge desconfiou de sinais de possível abuso sexual. Por conta disso, o corpo do menino foi encaminhado para o Departamento Médico Legal para passar por exames.

De acordo com a polícia, os pais não concordaram com a realização do procedimento, que foi realizado mesmo assim. Ao final do exame, o pai e a mãe foram levados para a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Vila Velha.

Menino teve lesões no ânus e intestino perfurado, diz polícia

Durante a autópsia, o médico legista identificou que a vítima foi violentada sexualmente. A criança teria tido uma perfuração no reto e no ânus devido a um trauma. A polícia suspeita que um objeto contundente foi inserido no ânus do menino e provocou lesões que romperam o intestino.

Segundo o médico legista, além das lesões encontradas no ânus e no reto, o menino também teve lesões no rosto, no dorso, no braço esquerdo e na perna. A suspeita é que alguns ferimentos tenham sido provocados por queimaduras de cigarro.

Pais foram presos e são investigados pela polícia

O pai, de 35 anos, e a mãe, de 31, foram presos. Eles são apontados pela polícia como principais suspeitos do crime. Os dois foram encaminhados para o sistema penitenciário. 

LEIA TAMBÉM: Corpo de técnico é encontrado em Vitória após sequestro, tortura e afogamento

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A tia-avó contou que o menino era uma criança feliz e será sempre lembrado pelas caras e bocas que gostava de fazer. A família não quer comentar sobre a investigação.

"Não quero julgar. Isso é com a polícia. Queremos justiça para a criança, independente de quem for o culpado, que seja punido nos trâmites legais na justiça do homem e na justiça de Deus", desabafou. 

O caso segue em investigação. Outras informações serão divulgadas durante uma coletiva de imprensa realizada pela equipe da Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa de Vila Velha na tarde desta quarta-feira (06).

*Com informações dos repórteres Lucas Pisa e Fernanda Batista, da TV Vitória/Record TV.

Pontos moeda