• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Caminhoneiro espancado por bandidos durante assalto é enterrado em VV

  • COMPARTILHE
Polícia

Caminhoneiro espancado por bandidos durante assalto é enterrado em VV

Ele estava aposentado há 10 anos e trabalhava fazendo frete. Foi durante um trabalho que o aposentado acabou assassinado

Foi sepultado na manhã desta segunda-feira (10) o corpo do motorista de caminhão espancado durante um assalto, na Grande Vitória. Abalados, amigos e familiares pedem justiça. João Pereira Neto, de 74 anos, foi sepultado no Cemitério Municipal de Vila Velha.

A vítima era o mais velho entre 11 irmãos. Durante 40 anos ele trabalhou como caminhoneiro pelas estradas do país. Há 10 anos havia se aposentado, mas decidiu continuar em atividade. Segundo a família, João comprou um caminhão menor, para fazer frete, transporte para mudanças. Foi em um desses serviços que ele acabou perdendo a vida.

Na última terça-feira (4), João recebeu um telefonema de dois homens para fazer uma mudança. No caminho, o motorista foi rendido e levado para uma estrada entre os municípios de Vila Velha e Guarapari, onde foi espancado e deixado pelos suspeitos. O caminhão foi levado. Um morador passava pelo local e ouviu o pedido de ajuda. João foi socorrido e levado para o Hospital São Lucas, em Vitória.

“Ficamos sabendo que ele estava no São Lucas como indigente, pois estava sem os documentos. Levaram o caminhão dele, levaram os pertences e só depois fomos saber que ele estava lá”, contou o irmão da vítima, Carlos Marcos Pereira.

O motorista deixa esposa e três filhos. Emerson Paulo Pereira, um dos filhos dele, contou que costumava participar das aventuras do pai e afirma que João sempre foi cuidadoso nas estradas. Essas são apenas algumas das lembranças que o comerciante faz questão de guardar. “O meu pai sempre foi um pai muito bom, trabalhador, sempre ajudou a gente”, afirmou.

Revoltados, os familiares também pedem justiça. “Só quero justiça. Apesar de não termos ninguém para resolver esse problema, a gente não sabe mais em quem acreditar. Mas eu tenho certeza que diante de Deus essas pessoas vão ser responsabilizadas”, disse o filho.