• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Sistema penitenciário do Espírito Santo registra sete mortes no primeiro semestre de 2017

  • COMPARTILHE
Polícia

Sistema penitenciário do Espírito Santo registra sete mortes no primeiro semestre de 2017

O número, comparado ao mesmo período do ano passado, registrou uma queda nos índices. Ao todo são 35 unidades penitenciárias em todo o Estado

O sistema penitenciário do Espírito Santo tem atualmente 13.873 vagas e abriga 19.825 pessoas. Deste total, 5.952 estão acima do número máximo permitido. Esses detentos estão em 35 unidades prisionais, na Grande Vitória e Interior. São 11 Centros de Detenção Provisória, 21 penitenciárias, uma Unidade de Saúde, um Hospital Psiquiátrico e um Centro de Triagem.

De acordo com a Secretaria de Estado de Justiça (Sejus), no primeiro semestre deste ano foram registradas sete mortes, sendo seis por motivos de saúde e um por violência. Nesse período, segundo o órgão, não houve registro de feridos, motins ou rebeliões.

Ainda segundo a Sejus, comparando os registros do primeiro semestre de 2016 com o mesmo período de 2017, os índices apontam uma redução no número de mortes de detentos do sistema prisional, uma vez que, no primeiro semestre do ano passado, foram registradas nove mortes e todas por motivo de doença.

Redução de mortes

A secretaria explicou que a redução no número de mortes nas unidades prisionais do Estado nos últimos anos é resultado da reconstrução da estrutura física das unidades prisionais e, consequentemente, da ampliação das diversas assistências prestadas aos detentos.

Em 2003, o Espírito Santo contava com 13 unidades prisionais e todas apresentavam problemas. Desde então, segundo a Sejus, o Governo do Estado inaugurou 26 unidades prisionais, gerando 10.512 vagas. Para isso, foram investidos R$ 453,7 milhões de recursos próprios do Estado nas construções.

Com a reestruturação física das unidades prisionais, realizada nos últimos anos, foi possível a expansão dos programas de atendimento à saúde, e também de educação, qualificação profissional e de trabalho, destacou a secretaria.