• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Estudante de Direito forja atropelamento para disfarçar assassinato de ex-namorada

  • COMPARTILHE
Polícia

Estudante de Direito forja atropelamento para disfarçar assassinato de ex-namorada

Antes de matar a namorada estrangulada, ele ainda teria sequestrado a jovem quando ela seguia para o trabalho

Um estudante de Direito foi preso, acusado de estrangular e matar a ex-namorada na noite desta quinta-feira (24), na Serra. Rogério Costa de Almeida, 34 anos, foi detido enquanto fingia dormir, pouco depois de cometer o crime. Ele teria forjado um atropelamento para disfarçar as agressões cometidas contra a jovem.

A vítima, identificada como Gabriela Silva de Jesus, 24 anos, era formada em Direito e trabalhava como atendente de telemarketing. Em depoimento à polícia, o acusado confessou o crime e disse que contou com a ajuda de um amigo.

No depoimento, Rogério disse que sequestrou a vítima por volta das 11 horas desta quinta-feira, quando ela saia para trabalhar. Depois disso, ele e o amigo ficaram por cerca de seis horas rodando com Gabriela pelo bairro, segundo ele, apenas conversando na tentativa de reatar o relacionamento.

Por volta das 19 horas, ele teria libertado a jovem, mas colocou ela de volta à força dentro do carro, porque ela teria começado a gritar por socorro. Depois disso, Gabriela foi estrangulada e, em seguida, atropelada pelo ex-namorado.

De acordo com os investigadores da Divisão de Homicídios, o atropelamento foi forjado para esconder o crime de estrangulamento. O amigo, dono do carro, foi identificado como Alexandre Santos de Souza, 31 anos, e também foi preso. Segundo a polícia, quando aconteceu o atropelamento, o pneu do veículo furou e eles abandonaram o automóvel uma rua depois do local onde Gabriela foi morta, fugindo a pé.

Familiares de Gabriela estiveram na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, em Vitória, para dar procedimento a liberação do corpo. Um membro da família, que preferiu não ser identificado, afirmou que o acusado não aceitava o fim do relacionamento. "Ela já havia virado a página, não tinha mais contato nenhum. Eles tinham muitas idas e vindas e a gente já sabia que ele faria algo assim em algum momento", disse.

De acordo com uma das amigas da vítima, o casal se conheceu na faculdade. Rogério tinha muito ciúmes da jovem e era muito possessivo, o que preocupava os colegas de classe. "A gente sempre dava conselho para que ela tomasse cuidado. Nunca esperava que aconteceria isso com uma pessoa tão próxima", lamentou.

Segundo o delegado Janderson Lube, da Delegacia Especializada de Homicídio Contra a Mulher, os dois acusados serão encaminhados para o Centro de Triagem de Viana, para cumprir ao procedimento de investigação. "Eles podem pegar até 30 anos de prisão. Vamos verificar se houve, além do homicídio, o crime de sequestro, avaliar o indiciamento por crime de tortura e dali podem pegar uma pena bem maior", disse.