• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Justiça de Goiás manda internar estudante de 13 anos que matou vizinha de 14

  • COMPARTILHE
Polícia

Justiça de Goiás manda internar estudante de 13 anos que matou vizinha de 14

A mãe da adolescente passou mal e, segundo vizinhos, tentou se jogar do prédio ao ver o corpo da filha

O juiz substituto Lionardo José de Oliveira decretou, no início da noite de quinta-feira, 24, a internação provisória do estudante de 13 anos suspeito de ter matado a também estudante Tamires Paula de Almeida, de 14, na quarta-feira, 23, no condomínio onde ambos moravam, no Jardim América, em Goiânia (GO). O adolescente ficará internado por até 45 dias.

Nos próximos dias deve ocorrer a audiência para apresentação do menor em juízo. Após isso será aberto espaço para defesa prévia e, na sequência, serão ouvidas testemunhas de acusação e de defesa. Após esta etapa, explicou o Tribunal de Justiça de Goiás, o juiz deverá estar preparado para proferir sentença, conforme dispõe o Estatuto da Criança e do Adolescente.

O caso tem tido grande repercussão, e a família do adolescente afirma que está sendo ameaçada pelas redes sociais. Já os familiares de Tamires estão em luto. Sob aplausos e comoção a garota foi enterrada no início da tarde de quinta-feira na cidade de Pires do Rio, de onde veio para estudar em Goiânia. A garota era filha única e morava com a mãe no prédio onde ocorre a tragédia.

A mulher passou mal e, segundo vizinhos, tentou se jogar do prédio ao ver o corpo da filha. A mãe do suspeito também teve um mal súbito ao ver a vítima morta nas escadarias do prédio, para onde foi arrastada pelo estudante.

A mãe tem declarado que o filho sofreu bullying na escola, por ser muito alto para os 13 anos de idade, e defendido que ele tem que pagar pelo que fez. O adolescente é o caçula de quatro filhos e morava com os irmãos e os pais, um mecânico e uma corretora de imóveis.

Tamires foi esfaqueada várias vezes pelo vizinho, com quem não teria contato. Descrito por policiais e promotores de Justiça como frio, o garoto não manifestou arrependimento e contou às autoridades que pretendia matar mais duas adolescentes da mesma escola.

Ele planejou o crime desde o aniversário, em junho, quando usou o dinheiro ganho como presente dos pais para comprar a faca usada contra a adolescente.