• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Operação da PF prende quatro pessoas por estelionato e uso de moeda falsa no ES

  • COMPARTILHE
Polícia

Operação da PF prende quatro pessoas por estelionato e uso de moeda falsa no ES

A Polícia Federal informou que as pessoas que estão sendo investigadas já foram presas nos anos de 2014, 2015 e 2016

A Polícia Federal no Espírito Santo deflagrou na manhã desta quinta-feira (31), a Operação Engodo, com objetivo de combater crime de estelionato e moeda falsa.

Ao todo, quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos, além de buscas de apreensões nas casas dos investigados. Vinte policiais federais participaram da operação.

Entenda o caso

Segundo a Polícia Federal, um dos investigados se apresentava a empresários como Fábio Rezende, o que ficou constatado que se tratava de nome falso. Além disso, ele se passava por assessor parlamentar do Senado. Ele apresentava uma “proposta comercial” vantajosa conforme pagamento de uma “comissão”.

Os comparsas se identificavam como investidores, empresários responsáveis pela contratação e pagamento dos valores combinados. Após a finalização da negociação era ajustada uma reunião em que os investigados recebiam o dinheiro da comissão e realizavam o pagamento com uma mala de moeda falsa, lacradas com “selo” do Banco Central do Brasil.

Segundo os militares, há indícios de que o grupo seja responsável pela falsificação de moeda que circulou no Espírito Santo em 2016, sendo que algumas delas foram apreendidas em poder de pessoas que a receberam sem saber do crime.

A PF informou que os investigados já foram presos em 2014, 2015 e 2016 pela prática de crimes semelhantes.

Crimes investigados

A Polícia Federal informou que os investigados responderão pelos crimes de moeda falsa, uso de símbolo publico oficial da Casa da Moeda, estelionato, e organização criminosa. A pena chega a 31 anos de reclusão.

A PF também vai verificar a possível prática de lavagem de dinheiro, tendo em vista que os investigados não apresentam atividade econômica lícita e há indícios de ocultação do patrimônio obtido por meio da atividade criminosa.