• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Preso suspeito de assaltar e assassinar caminhoneiro na Serra

  • COMPARTILHE
Polícia

Preso suspeito de assaltar e assassinar caminhoneiro na Serra

O crime aconteceu em julho. O suspeito teria simulado um chamado para um frete e cometido o assassinato

O homem suspeito de assaltar e assassinar o motorista de caminhão Ítalo Gonçalves de Almeida, 64 anos, foi preso em uma oficina mecânica em Cariacica. Em depoimento à polícia, o pintor automotivo Célio Cardoso, 51 anos, disse que cometeu o crime por vingança.

De acordo com o delegado Ricardo Toledo, há motivos para não acreditar na versão contada pelo suspeito. "O crime aconteceu na noite do dia 12 e na manhã do dia 13 ele já se deslocou até Guarapari, onde já tinha um comprador com o valor a ser pago pelo caminhão", disse.

O crime aconteceu em julho deste ano no bairro Cascata, na Serra. De acordo com a polícia, Célio simulou a contratação de um serviço de frete e atraiu a vítima para um local pouco movimentado. A vítima foi assassinado com um corte profundo no pescoço. O caminhão foi levado pelo suspeito do crime.

As investigações apontaram que o caminhão foi vendido para um homem de 71 anos, de Guarapari. Em troca, o pintor automotivo teria recebido um carro no valor de R$ 6 mil e mais R$ 2 mil em dinheiro, valor que, segundo o delegado, é metade do preço de mercado. Nesta quarta-feira (9), o comprador também foi conduzido para a delegacia, mas vai responder em liberdade.

O caminhão foi apreendido poucos dias após o crime. De acordo com o delegado, o veículo foi localizado por policiais em frente à residência do comprador. Os militares desconfiaram e checaram a placa do veículo, descobrindo assim que o caminhão estava com restrição de furto e roubo.

Célio já possui mandado de prisão preventiva em aberto por um homicídio cometido em 2016, também na Serra. Ele será encaminhado para o Centro de Triagem de Viana. A pena pelo latrocínio pode chegar a 30 anos de reclusão.