• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Assassinato de psicopedagoga completa uma semana e nenhum suspeito foi preso

  • COMPARTILHE
Polícia

Assassinato de psicopedagoga completa uma semana e nenhum suspeito foi preso

O crime aconteceu no dia 26 de setembro. A família estava em busca da vítima e soube do crime pela TV Vitória

O assassinato da psicopedagoga Isabela Ferrerira Javarini, 26 anos, completa uma semana e a família continua à espera de respostas. A polícia continua investigando o crime, mas ainda não foram divulgadas informações sobre motivação e suspeitos.

Isabela trabalhava em um centro municipal de educação infantil em Vitória. Ela auxiliava os professores a cuidar dos pequenos na sala de aula. Funcionários preferiram não gravar entrevista e se limitaram a dizer que a psicopedagoga era uma pessoa reservada.

O corpo de Isabela foi encontrado na última terça-feira (26), no bairro Piranema, em Cariacica. Ela foi assassinada com um tiro na testa. Com a jovem não havia documentos nem objetos pessoais. Foram as informações divulgadas pela TV Vitória que ajudaram a acabar com a angústia da família.

Familiares de Isabela também não aceitaram dar entrevista, mas contaram que ela havia desaparecido no final daquela tarde. Depois de sair do trabalho, a psicopedagoga pegaria um ônibus até o terminal Campo Grande, em Cariacica. De lá, buscaria o filho mais novo na creche, que fica perto da casa onde morava, em São Gonçalo, no mesmo município. Foi uma professora da unidade quem estranhou a demora e alertou a família.

Segundo a família, Isabela era dedicada ao trabalho e à família. Era separada, mas tinha um bom relacionamento com o ex-marido, que mora fora do estado. A psicopedagoga tinha dois filhos: uma menina de 8 anos e um menino de 3.

Por nota, a Polícia Civil informou que o caso segue sob investigação da Delegacia Especializada de Homicidios Contra a Mulher e que informações não serão divulgadas para não atrapalhar a apuração. Até agora, ninguém foi detido.