• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

"Eu não posso confiar no que ele diz, ele é estelionatário", diz delegado sobre suspeito de sequestrar Thayná

  • COMPARTILHE
Polícia

"Eu não posso confiar no que ele diz, ele é estelionatário", diz delegado sobre suspeito de sequestrar Thayná

Delegado José Lopes disse em entrevista coletiva que na última terça-feira, Ademir quase foi preso, mas fugiu pelo telhado

Em coletiva realizada na manhã desta segunda-feira (13), o chefe da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) José Lopes, responsável pelas investigações sobre o caso do sequestro da menina Thayná Andressa de Jesus, de 12 anos, deu detalhes da prisão de Ademir Lúcio Ferreira de Araújo, de 55 anos, e comentou sobre a confissão feita pelo suspeito, em vídeo, divulgado durante a manhã, após o suspeito ser preso no Rio Grande do Sul.

"Eu não posso confiar no que ele [Ademir] fala, preciso provar. Ele é estelionatário, não posso confiar [no que ele diz]. A investigação está iniciando, tudo que ele falar, não posso confiar. O mais difícil era prendê-lo. Preciso estar de frente pra ele e assim ouvir dele o que aconteceu", disse o delegado.

O chefe da DHPP também explicou que os policiais já sabiam que ele teria deixado o Estado. “A gente já tinha a informação de que ele poderia ter saído do Estado, de ter ido para o Rio Grande do Sul, onde ele tem filho, para o Rio de Janeiro, onde tem amizades, ou para Minas Gerais. Desde o início nos comunicamos com essas delegacias, com todos os policiais de todos os estados".

Leia também:

--> Caso Thayná: suspeito de sequestro é preso no Rio Grande do Sul
--> Mãe de Thayná comemora prisão do suspeito de sequestrar filha
--> Suspeito conta detalhes do encontro com Thayná no dia do crime

Segundo José Lopes, Ademir quase foi preso na semana passada, mas conseguiu fugir dos policiais gaúchos. "Na madrugada da última segunda-feira, dia 06, a polícia militar do Rio Grande do Sul quase prendeu o Ademir. Ele estava em uma pensão, percebeu a presença dos policiais e conseguiu fugir pelo telhado. Neste dia, os policiais chegaram no quarto dele e apreenderam documentos e objetos. Isso impediu que o Ademir fugisse. Ele teve que permanecer em Porto Alegre", contou o delegado.

Após ter conhecimento desse fato, na terça-feira, dia 07, policiais do Espírito Santo foram enviados para o sul do país para dar apoio as buscas e captura do suspeito.

José Lopes contou ainda sobre a prisão do suspeito realizada na manhã desta segunda-feira (13). "Hoje cedo ele saiu para a rua, estava perto da rodoviária. Ele tinha ido comer. A Brigada Militar, que faz o serviço de ronda ostensiva e não levanta suspeitas, conseguiu detê-lo", afirmou José Lopes.

Sobre o perfil de Ademir, José Lopes o classificou como "monstro". O acusado tinha mais de 20 ocorrências de extorsão, receptação, estelionato, várias ameaças apenas no Rio Grande do Sul. "Ele é um monstro, não tenho dúvidas. A menina [Thayná] tinha 12 anos, pesava 35kg... Ele é um monstro", finalizou o delegado.

Sobre o silêncio da polícia, o secretário de Estado de Segurança Pública, André Garcia, afirmou que tudo isso foi necessário para a solução do caso. “Nesse caso o silêncio da polícia no seu trabalho não pode ser confundido com descaso. Temos policiais que vão dormir a partir de hoje. Eles não conseguiram dormir todos esses dias a procura desse indivíduo e tentando desvendar o caso. Estamos entregando para a sociedade um grande resultado, quase encaminhando para a conclusão. A prisão desse indivíduo é fundamental para esclarecer o crime de vez, pois ele não poderia estar nas ruas, ele tinha que estar preso e não é de agora. Ele tem uma ficha criminal que qualquer país civilizado não permitiria que ele estivesse na rua”, alegou.