• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Caso Milena: acusados trocaram mais de mil ligações antes e após o crime

  • COMPARTILHE
Polícia

Caso Milena: acusados trocaram mais de mil ligações antes e após o crime

O assassinato completa três meses e os acusados de participação seguem presos

Os seis acusados de envolvimento na morte da médica Milena Gottardi, de 38 anos, trocaram 1.230 ligações e formaram uma rede de comunicação antes e após o crime. A informação é do advogado de defesa de Bruno Rodrigues Broero e Dionathas Alves Vieira. Segundo ele, os dados constam no inquérito policial.

Além disso, ele informou também que o inquérito sugere que o planejamento do assassinato começou pelo menos dois meses antes do crime. Já o advogado de Espiridião Carlos Frasson; pai de Hilário Frasson, apontado como o mandante; disse que esse número não procede e que foram feitas aproximadamente 400 ligações.

A médica foi assassinada em setembro deste ano após sair de um plantão no Hospital das Clinicas, em Vitória. Milena foi baleada na cabeça e chegou a ser socorrida, mas no dia seguinte sofreu morte cerebral. A médica deixou duas filhas pequenas. Hoje completa três meses que o crime aconteceu.

Envolvidos no crime

Seis pessoas participaram do assassinato da médica. Segundo as investigações da Polícia Civil, o ex-marido da vítima, o policial civil Hilário Frasson, e o pai dele, Esperidião Carlos Frasson, foram os mandantes do crime.

De acordo com a Polícia Civil, pai e filho chamaram dois homens para serem os intermediadores do assassinato e contratarem o executor: o lavrador Valcir da Silva Dias e Hermenegildo Palauro Filho, o "Judinho". Segundo a polícia, os dois são de Fundão e conhecem a família de Esperidião e Hilário há cerca de 30 anos.

Os dois intermediários, segundo as apurações da polícia, entraram em contato com Dionathas, que mesmo não conhecendo a vítima aceitou o serviço. Em depoimento, Ele disse que recebeu R$ 2 mil para matar Milena. No entanto, os mandantes alegam que não pagaram pelo serviço. Para cometer o crime, Dionathas teria pedido para um cunhado dele, Bruno Rodrigues, roubar uma moto, o que foi feito.

Veja o vídeo: