• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

OAB suspende inscrição de advogado preso por agredir a ex-esposa em Vitória

  • COMPARTILHE
Polícia

OAB suspende inscrição de advogado preso por agredir a ex-esposa em Vitória

A instituição considerou que o caso teve repercussão prejudicial à dignidade da advocacia. Na quarta-feira, a Justiça decretou a prisão preventiva do suspeito

Advogado foi detido pela Guarda Municipal e encaminhado para a delegacia

A Ordem dos Advogados do Brasil no Espírito Santo (OAB-ES) suspendeu por 90 dias a inscrição do advogado de 35 anos, preso após agredir a ex-esposa, uma enfermeira de 37, em Jardim Camburi, Vitória, na manhã de quarta-feira (20). 

A decisão foi tomada de forma cautelar em razão de a Ordem considerar que o caso teve repercussão prejudicial à dignidade da advocacia.

O presidente da OAB-ES, Homero Junger Mafra, afirmou que as atitudes do profissional tomaram proporções assombrosas, repercutindo negativamente no conceito da classe, que exige medida imediata, visando guarnecer a profissão e a credibilidade que os profissionais da advocacia nutrem perante a sociedade. 

O caso foi encaminhado ao Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-ES para os trâmites necessários.

Prisão preventiva

Na tarde de quarta-feira, a Justiça decretou a prisão preventiva do advogado, durante audiência de custódia. Com isso, ele permanecerá preso por tempo indeterminado.

O suspeito foi detido por agentes da Guarda Municipal, que o flagraram agredindo a vítima no meio da rua. Durante a confusão, o advogado ainda teria retirado à força o botão do pânico da mão da mulher, impedindo-a de pedir socorro.

A confusão aconteceu por conta da guarda compartilhada do filho do casal, de 4 anos. O suspeito queria passar o fim de ano com o menino, mas uma decisão judicial determinava que a criança ficaria com a mãe.

A mulher contou que possui o Botão do Pânico desde março deste ano. Segundo ela, em maio o botão já havia sido acionado porque o advogado teria arrumado confusão na porta da casa dela. 

A enfermeira possui ainda, desde 2014, uma medida protetiva, que teria sido descumprida várias vezes pelo suspeito, com invasões à casa dela, agressões e ameaças. 

O casal está separado há três anos, depois de um relacionamento de dez. Segundo a vítima, tudo isso acontece porque o ex não aceita o fim do casamento.