• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Marun: com Temer se declarando candidato, tenho 'ainda mais certeza' de 2º turno

  • COMPARTILHE
Política

Marun: com Temer se declarando candidato, tenho 'ainda mais certeza' de 2º turno

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse nesta segunda-feira, 26, que, com as declarações do presidente Michel Temer de se candidatar à reeleição, ele tem "ainda mais certeza" de que o candidato do governo estará no segundo turno e afirmou que uma possível chapa de Temer com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não será um problema se houver apoio da coligação. "Se eu já tinha certeza (que o candidato do governo estará no 2º turno), com o presidente Temer declarando a possibilidade de ser candidato, tenho mais convicção ainda", disse.

Ao ser questionado se o lançamento de uma candidatura do presidente, com baixa popularidade, não pode ser um alto risco de um fiasco, Marun afirmou que "quem não tem coragem não se mete a ser político". Na semana passada, em entrevista a Isto É, Temer disse que não se candidatar seria "uma covardia".

Marun afirmou ainda que, com informações, o governo vai conseguir furar uma "bolha" que foi criada pela "perseguição contra Temer". "A perseguição que presidente Temer sofreu impede a ele chegada de notícias boas. Na hora que furar a bolha, a sociedade verá o grande trabalho de Temer", afirmou.

Apesar de o próprio Temer ter declarado mais cedo ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, que Meirelles vai se filiar ao MDB e deixar a Fazenda em abril, o ministro disse que essa ainda não era a "posição oficial". "O ministro Meirelles é um grande quadro, obviamente sua filiação enriqueceria o MDB. É um nome que tem disposição para participar da próxima eleição, as tratativas estão evoluindo bem, mas ainda não temos condições de fazer afirmações peremptórias em relação a sua decisão final", disse.

O ministro afirmou que o MBD começa a se mobilizar para estabelecer uma candidatura do governo e disse desconhecer a negociação para uma chapa puro sangue com Temer e Meirelles. "Tanto Temer como Meirelles são adequados e avaliados com otimismo pelo MDB", afirmou.

Para Marun, caso Meirelles se filie ao MDB, não deve haver resistência de partidos coligados, pois no período eleitoral as siglas passam a agir com unidade. "Assim sendo se o conjunto de partidos que vier a apoiar a candidatura de governo entender que os dois melhores quadros sejam no mesmo partido (não há problema)", disse.

Sobre a saída do ministro da Fazenda, Marun disse que "talvez" Meirelles tenha confirmado ao presidente Temer. "Todavia não é o que temos hoje de forma oficial. Temos hoje que as conversas estão avançadas e conduzidas pelo próprio presidente da República", reforçou o ministro, ressaltando que não tem participado das conversas que estão ocorrendo entre o presidente e Meirelles.

Reforma

Marun disse ainda que não há definição sobre substitutos para os ministérios que perderão seus comandos por conta da descompatibilização e reiterou que, no caso da Fazenda, o ministro Meirelles será ouvido. "A Fazenda é conduzida por equipe qualificada e que continuará trabalhando pelo Brasil", afirmou. "Tratativas sobre futuro ocupante da Fazenda são conduzidas pelo presidente e por Meirelles."

Segundo Marun, não há nenhum nome definido para substituições de ministros que disputarão as eleições. "Não acredito que soluções definitivas sejam tomadas nesta semana e a montagem final de ministérios deve ficar para a semana que vem", avaliou.

Sobre a possibilidade de Gilberto Occhi deixar a Caixa e comandar o ministério da Saúde no lugar de Ricardo Barros, Marun afirmou que o nome de Occhi é visto com respeito, mas é um dos nomes que está sendo apresentado. Segundo Marun, num primeiro momento, é possível que o governo fique com ministros interinos e que o presidente estuda uma posse coletiva para marcar esta próxima etapa do governo. "É possível."