• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Temer avisa líderes que governo não apoiará candidatos que não defendam legado

  • COMPARTILHE
Política

Temer avisa líderes que governo não apoiará candidatos que não defendam legado

O presidente Michel Temer avisou nesta segunda-feira, 12, a líderes e vice-líderes do governo no Congresso Nacional que o Palácio do Planalto não apoiará candidatos à Presidência da República que não estejam dispostos a defender o legado do governo nas eleições deste ano. A informação é do deputado Danilo Forte (DEM-CE), um dos vice-líderes do governo na Câmara.

De acordo com Forte, Temer e o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB), mandaram "alguns recados" às lideranças governistas durante a reunião com as lideranças, que aconteceu no Planalto. "Um dos recados foi de que o governo não vai apoiar o candidato (a presidente) que não apoiar o governo", disse o parlamentar cearense ao Broadcast Político.

O recado de Temer é destinado a pré-candidatos filiados a partidos da base aliada mas que têm feito questão de se distanciar do governo; entre eles, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Ao lançar sua pré-candidatura na última quinta-feira, 8, Maia disse não estar "disposto" a defender o legado do governo.

No encontro desta segunda-feira, Temer defendeu uma candidatura única ao Planalto dos partidos de centro. "Ele disse que a articulação do campo de centro passava pelos partidos daquele grupo que estava ali", conta Forte. "Falei que o MDB, onde prevalecem os interesses locais de seus dirigentes, poderia ser um empecilho e dificultar a unidade desse campo", afirmou o deputado.

Segundo Forte, Temer também pediu a líderes e vice-líderes "mais empenho" na defesa do legado do governo no Congresso. Solicitou ainda "celeridade" na votação de propostas na área da economia, segurança pública e saúde, escolhidas como "prioridade" do governo. "Só temos 90 dias praticamente para concluir o semestre. Depois vem Copa, vem eleição", disse.