• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Empresário afirma ser dono dos R$ 51 milhões de apartamento em Salvador

  • COMPARTILHE
Política

Empresário afirma ser dono dos R$ 51 milhões de apartamento em Salvador

Se até hoje, quase nove meses depois da apreensão pela Polícia Federal de mais de R$ 51 milhões em dinheiro em um apartamento em Salvador, os irmãos Geddel e Lúcio Vieira Lima não reivindicaram a propriedade nem deram explicações sobre a origem da fortuna, tem quem o faça. Diferentemente da Procuradoria-Geral da República, que afirma em denúncia que o dinheiro tem origem em propinas da construtora Odebrecht, o empresário baiano Carmerino Conceição de Souza acha que é dele.

E diz mais: os R$ 51 milhões apreendidos no âmbito da operação Tesouro Perdido, em setembro, seriam parte de um montante de R$ 65 milhões que ele afirma ter repassado em dinheiro a um intermediário de Geddel - e do qual não recebeu a contrapartida acertada com o ex-ministro, uma carta-fiança da Caixa Econômica Federal para fundamentar um pedido de financiamento no valor de R$ 110 milhões junto ao BNDES. "Até hoje, não houve a aplicação", disse.

Segundo Carmerino, a negociação foi acertada pessoalmente com Geddel "no final de 2012 ou início de 2013", quando o ex-ministro era vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa.

Ele relata que o dinheiro foi entregue por um de seus sócios entre os meses de outubro e dezembro de 2015 na superintendência de Pessoa Jurídica na Bahia. À época, Geddel não estava mais na Caixa. Ele foi exonerado em dezembro de 2013.

Segundo o empresário, foram "mais de dez" entregas. "No total, foram 225 envelopes cheios de notas de R$ 50 e R$ 100, guardados em 19 malotes", disse, citando as mesmas características do dinheiro apreendido pela Polícia Federal.

Carmerino afirma "acreditar" que tenha os recibos dessa transação. "De qualquer forma, deve ter imagem de câmeras de segurança mostrando as entregas dos malotes. Já pedi isso à Caixa, mas eles não me atendem. Quando chego lá, parece que sou um fantasma."

Ele nega que a transação com Geddel tenha sido pagamento de propina. "Não tem por que pagar propina. Dei o dinheiro para receber a aplicação", disse. Afirmando conhecer Geddel há pelo menos 20 anos, Carmerino disse não acreditar que o ex-ministro tenha agido de má-fé. "Se ele guardou esse dinheiro, é porque não tinha nenhuma maldade", afirmou.

Segundo ele, os pagamentos "à Caixa" foram feitos em dinheiro porque é assim que suas empresas recebem da maioria de seus clientes. "Tratamos com muita gente 'negativada', que não podem usar a conta bancária. Por isso recebíamos muito em dinheiro. Mas estamos mudando isso", disse.

O empresário se apresenta como presidente do grupo Polocal, holding que reúne mais de 30 empresas em 19 Estados, com cerca de 300 funcionários. As atividades do grupo vão da manutenção predial à venda parcelada de veículos. O faturamento anual, segundo ele, é de cerca de R$ 300 milhões.

Busca

Carmerino disse que após a apreensão dos R$ 51 milhões e a posterior prisão de Geddel, iniciou uma verdadeira peregrinação atrás do dinheiro. Procurou a PF em Salvador e pediu para visitar o ex-ministro, que está preso desde setembro no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília.

A PF o orientou a procurar a defesa de Geddel, o que foi feito diversas vezes e insistentemente, segundo o advogado Gamil Foppel. Em petição enviada à PF, cujo conteúdo foi revelado pela coluna Satélite, do jornal Correio, de Salvador, Foppel informa que o empresário "tem insistido em buscar contato com este peticionário e demais advogados do escritório, passando a proferir expressas ameaças contra a defesa técnica".

"A insistência do referido senhor já tem causado estorvo ao normal funcionamento do escritório (…) diante do número absolutamente elevado de ligações diárias (que superam o total de duas dezenas)", escreveu o advogado.

Em resposta, Foppel orientou o empresário a procurar a PF "para que, perante a autoridade policial, ele pudesse esclarecer os fatos que julgasse pertinentes, notadamente sobre a sua alegada propriedade". Ao jornal O Estado de S. Paulo, o advogado disse que as alegações do empresário, "são absurdamente mentirosas".

Carmerino diz que também tem procurado o deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA) e a Caixa, igualmente sem resposta. Sua intenção, diz, é apenas reaver o dinheiro ou receber a carta-fiança. "Só preciso que Geddel diga: 'foi fulano de tal que pegou e, se esse dinheiro não aparecer na Caixa, esse cidadão vai ter de explicar o que fez com ele".

"Com relação à denúncia apresentada, a Caixa Econômica Federal esclarece que irá apurar internamente as declarações do empresário e, se necessário, acionará os órgãos competentes", afirmou a Caixa em nota. Procurado pela reportagem, o deputado Lúcio Vieira Lima não retornou os contatos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.