• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Testemunhas em caso Paulo Vieira acusam MP

  • COMPARTILHE
Política

Testemunhas em caso Paulo Vieira acusam MP

Duas testemunhas de defesa do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza afirmaram na sexta-feira, 25, à Justiça que foram pressionadas a depor contra ele quando a ação estava no Ministério Público Estadual. O caso hoje é investigado pelo Ministério Público Federal. O ex-diretor da Dersa responde por desvios de R$ 7,7 milhões nas obras do Rodoanel.

Priscila Sant Anna, que foi babá de um dos netos do ex-diretor da Dersa e é defendida por advogados ligados a ele, havia admitido ao Ministério Público Estadual, em 2016, que foi beneficiada pelo esquema.

Em 2017, quando a investigação estava mais avançada, ela procurou a Polícia Federal para mudar de versão. Segundo ela, no depoimento prestado em 2016, o promotor "batia na mesa, gritava e ameaçava de prisão". O Ministério Público Estadual nega as acusações.

Ameaças

Além da acusação de desvios em contratos da Dersa, o Ministério Público Federal suspeita de que o ex-diretor coagiu uma mulher acusada no mesmo processo. A acusação chegou a levar Vieira para a prisão, mas o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu liberdade após considerar frágeis as provas contra o ex-diretor da Dersa.

Nesta semana, o MPF informou à Justiça que uma outra testemunha do caso se sente ameaçada e pediu para que o seu depoimento fosse feito sem a presença de réus do processo. O nome da testemunha está sendo mantido sob sigilo. De acordo com os investigadores, no dia 17, ela ligou chorando para o Ministério Público Federal e disse que estava com medo de depor. A um funcionário do órgão, ela afirmou que temia que encontrar os réus.

A juíza do caso, Maria Isabel do Prado, determinou que a testemunha que ligou chorando, com medo de depor, também fale à Justiça em sala apartada dos acusados.

"Como registrado, tendo em vista o fundado temor externado pela testemunha, somado ao seu pedido expresso em não travar contato visual com os réus, a teor do art. 217 do CPP, autorizo sua oitiva sem a presença dos acusados na sala de audiências, o que foi anuído por todas as partes presente", anotou.

"Ressalte-se, outrossim, que permanecerão preservados os princípios inerentes ao devido processo legal, ampla defesa e contraditório. De se observar que os acusados permaneceram em sala contígua a este recinto, de molde a poderem ouvir o que foi dito pela testemunha e, ainda, devidamente representados pelas respectivas defesas", decidiu.

Defesa

Além da ação penal por supostos desvios de R$ 7,7 milhões em reassentamentos para obras do Rodoanel Trecho Sul, Paulo Vieira de Souza é investigado por supostamente operar propinas para o PSDB.

O ex-diretor da Dersa nega as irregularidades e afirma que nunca operou ou arrecadou recursos para o PSDB. A defesa dele afirma que Paulo Vieira "nunca tratou de recursos ilícitos". Sobre as acusações de ameaças, a defesa afirma que elas "são infundadas e não correspondem com a realidade". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.