Presidente do FNDE diz ter ouvido 'conversas tortas' sobre pastores no MEC

Política

Presidente do FNDE diz ter ouvido 'conversas tortas' sobre pastores no MEC

Captura do ministério pelos pastores, que intermediavam o acesso de prefeitos aos recursos da pasta e controlavam a agenda do então ministro, foi revelada pelo Estadão

Estadão Conteúdo

Redação Folha Vitória
Foto: Reprodução/FNDE

Na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Lopes da Ponte, disse nesta quarta-feira, 25, que "ouviu conversas tortas" sobre a relação de pastores com o Ministério da Educação, mas que nunca recebeu ordem direta do então ministro, Milton Ribeiro, para liberar recursos a prefeituras de acordo com pedidos dos religiosos.

A captura do ministério pelos pastores, que intermediavam o acesso de prefeitos aos recursos da pasta e controlavam a agenda do então ministro, foi revelada pelo Estadão em uma série de reportagens em março deste ano que culminaram com a demissão de Ribeiro.

"Em agosto do ano passado após chegar de uma viagem, ouvi da minha equipe e de algumas pessoas algumas conversas tortas sobre a relação com os pastores. Imediatamente procurei o secretário-executivo de então, o atual ministro Victor Godoy", alegou Ponte. "Não tinha provas, mas para minha segurança e para o bom caminhar da minha gestão fui ao secretário e depois fui ao ministro Milton."

Ponte disse que Ribeiro, então, encaminhou o caso à Controladoria-Geral da União. "Eu nunca recebi nenhuma ligação ou do ministro para priorizar nenhum tipo de ação ou ingerência por parte dos pastores", completou.

Em uma conversa gravada, porém, Ribeiro admitiu que priorizava o atendimento a prefeitos que chegavam ao ministério por meio dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura. Falando a dirigentes municipais dentro do ministério, o então ministro disse que seguia ordem do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Ponte também disse na Comissão de Educação que foi ouvido pela CGU e que colocou o próprio sigilo fiscal, bancário e telefônico à disposição das autoridades para conferência. Ele minimizou, ainda, uma licitação preparada pelo governo com preço inflado para comprar 3.850 ônibus escolares.

Segundo o presidente do FNDE, a CGU acompanhou todo o processo. Como mostrou o Estadão, porém, o órgão preferiu tocar a concorrência com risco de sobrepreço de mais de R$ 700 milhões mesmo com alertas de órgãos de controle.

Relembre o caso

O FNDE esteve no centro do escândalo do "gabinete paralelo" de influência dos pastores no ministério revelado pelo Estadão.

O grupo foi capitaneado pelos pastores Gilmar Silva dos Santos, presidente da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros das Assembleias de Deus no Brasil, e Arilton Moura, assessor de Assuntos Políticos da entidade. Os pastores agiam como lobistas, atuando para liberar e ou acelerar o empenho de recursos a determinados municípios.

Em um dos episódios divulgados pelo Estadão, o prefeito do município de Luís Domingues (MA), Gilberto Braga (PSDB), afirmou que o pastor Arilton Moura pediu pagamentos em dinheiro e até em ouro em troca de conseguir a liberação de recursos para construção de escolas e creches.