• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Comitiva capixaba viaja para Minas Gerais para discutir o retorno da Samarco

  • COMPARTILHE
Política

Comitiva capixaba viaja para Minas Gerais para discutir o retorno da Samarco

O objetivo da comitiva capixaba é discutir, junto ao governo e as prefeituras das cidades mineiras, os requisitos necessários para que a Samarco volte a funcionar

O vice-governador do Estado César Colnago (PSDB) vai se reunir, neste domingo (16), com o governador de Minas Gerais Fernando Pimentel (PT). O motivo da reunião é a retomada das atividades da mineradora Samarco, paralisadas desde novembro de 2015, por conta da tragédia ambiental envolvendo a empresa.

O encontro será realizado na cidade de Mariana, a mais devastada com o desastre ambiental, e contará também com as presenças do secretário de estado de Desenvolvimento (Sedes), José Eduardo Azevedo; do prefeito de Anchieta (ES), Fabrício Petri; do prefeito de Mariana (MG), Duarte Júnior; do presidente eleito da Federação da Indústria do ES (Findes), Leonardo de Castro, além de diretores da Samarco e outros empresários da região.

O objetivo da comitiva capixaba é discutir, junto ao governo e as prefeituras das cidades mineiras, os requisitos necessários para que a Samarco volte a funcionar.

Até o momento, mesmo com o anúncio da criação de um fundo de US$ de 250 milhões, pela mineradora australiana BHP Billiton para dar suporte financeiro à Samarco e à Fundação Renova, a empresa ainda não conseguiu todos os documentos necessários para a retomada das atividades. Um dos maiores empecilhos vem sendo criado pela prefeitura de Santa Bárbara, que não assinou o termo de conformidade para que a Samarco volte a captar água no Rio Santa Bárbara.

“Evidentemente há uma questão referente ao passivo ambiental, que está sendo encaminhada por várias instituições da União, dos estados e municípios atingidos, que é fundamental, pois trata da recuperação e sustentabilidade do Rio Doce. A outra questão diz respeito à economia e geração de emprego, pois hoje temos muitas pessoas desempregadas. A Samarco tem um peso muito forte na economia capixaba, cerca de 6% do PIB. Perder essa atividade gerou um grave problema de desemprego e queda de receita para os dois estados. A nossa ida é para mostrar a nossa motivação de que, discutidas as questões ambientais, possamos ter a retomada da empresa”, ressalta Colnago.

A Samarco

Os dois complexos industriais da Samarco estão localizadas em Mariana e Anchieta. No município mineiro, é feita a extração e o beneficiamento do minério de ferro. Já na cidade capixaba, estão quatro usinas de pelotização e um porto.

Para voltar a operar, a Samarco precisa obter a carta de conformidade de todos os municípios mineiros envolvidos em sua cadeia de produção, efetuando o protocolo logo depois na Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad) o pedido de licença operacional corretiva. O documento deve dizer se as estruturas da empresa estão ou não de acordo com a legislação municipal de uso e ocupação do solo.

A tragédia

O acidente ambiental de Mariana, como ficou conhecido, aconteceu por conta do rompimento da barragem de Fundão, no dia 5 de novembro de 2015. Na ocasião, 19 pessoas morreram e milhares de outras ficaram desabrigadas. 

Os rejeitos de minério invadiram o Rio Doce e atingiram 39 cidades, de Minas e do Espírito Santo.