• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Julgamento de Eduardo Azeredo (PSDB) no processo do mensalão mineiro é remarcado

  • COMPARTILHE
Política

Julgamento de Eduardo Azeredo (PSDB) no processo do mensalão mineiro é remarcado

A alteração foi a pedido do revisor da ação, desembargador Pedro Vergara, para, conforme o TJMG, organização de estrutura da corte para atendimento à imprensa e de interessados em acompanhar a sessão

Belo Horizonte - O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) mudou de 8 para 22 de agosto o julgamento do ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo (PSDB) no processo do mensalão mineiro. A alteração foi a pedido do revisor da ação, desembargador Pedro Vergara, para, conforme o TJMG, organização de estrutura da corte para atendimento à imprensa e de interessados em acompanhar a sessão, por se tratar de caso de forte repercussão. O julgamento ocorrerá na 5ª Câmara Criminal do TJ.

O tucano foi condenado em primeira instância a 20 anos e 10 meses de prisão sob acusação da prática dos crimes de lavagem de dinheiro e peculato. As investigações do Ministério Público apontaram que o surgimento do mensalão mineiro ocorreu durante a administração do tucano com o objetivo de canalizar recursos de empresas públicas, como a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e, à época, a Companhia de Mineração de Minas Gerais (Comig), para a campanha à reeleição do tucano em 1998.

Azeredo governou Minas Gerais entre os anos de 1995 e 1998. Na disputa pela reeleição, ele foi derrotado por Itamar Franco. O escritório que atua no caso do ex-governador tucano confirmou que não partiu da defesa pedido para mudança de data.

Defesa

Na quinta-feira, 20, com a marcação do julgamento para a data anterior, o advogado de Azeredo, Castellar Guimarães Neto, afirmou ter confiança na reforma da sentença. "Não há na instrução probatória nenhum indício de que o ex-governador tenha participado de decisões administrativas das estatais nem mesmo da organização financeira da campanha", disse.