• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

MP pode autorizar desapropriação de imóveis para duplicação da BR 101

  • COMPARTILHE
Política

MP pode autorizar desapropriação de imóveis para duplicação da BR 101

O atraso nas obras da duplicação da rodovia BR 101 vem provocando muita discussão entre os capixabas

Uma comissão deverá ser instaurada para analisar a Medida Provisória que pode autorizar a desapropriação de imóveis em um total de 7,5 quilômetros da BR 101, na cidade de João Neiva, região Norte do Espírito Santo, para obras de duplicação do subtrecho C da rodovia.

O Governo Federal especifica no artigo da MP que os trechos que deverão ser desapropriados vão dos quilômetros 205,28 ao 208,17 e do 215,9 ao 220,37, totalizando os 7,5 quilômetros de rodovia. A medida não terá custos para a União porque as obras e as desapropriações deverão ser financiadas com recursos próprios da concessionária que administra a via, a Eco101.

A iniciativa para essas obras está estabelecida no Programa de Exploração da Rodovia (PER), que é objeto do contrato de concessão do serviço público rodoviário federal, celebrado entre o Governo Federal e a Eco101. Por meio da deliberação 333/16, publicada no dia 21 de dezembro de 2016, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) mostrou-se favorável à proposta.

Por meio de nota técnica, a Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados julgou pertinente a MP por não consumir recursos da União.

A senadora Rose de Freitas (PMDB-ES) foi indicada para presidir a Comissão Mista responsável por analisar e emitir o parecer sobre a MP. A instauração da comissão acontece na próxima terça-feira (22), às 15 horas.

Leia Também:

--> Discussão sobre duplicação da BR 101 precisa ser aprovada pela ANTT

--> MPF analisa contrato de concessão da BR 101 no ES

--> Diretor da ANTT vem ao ES discutir com Hartung impasse sobre duplicação da BR

--> Eco 101 alega dificuldade com licenças ambientais e crise econômica