• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Deputado quer revogar título de Cidadão Espírito-Santense de Lula, Temer e Aécio Neves

  • COMPARTILHE
Política

Deputado quer revogar título de Cidadão Espírito-Santense de Lula, Temer e Aécio Neves

O projeto contra os três políticos, que será analisado pelas comissões de Justiça e Cidadania, quer revogar as honrarias dadas aos três políticos porque elas "não coadunem com os princípios morais e éticos do cidadão espírito-santense"

O deputado estadual Sergio Majeski (PSDB) protocolou na última semana um projeto para cancelar os título de Cidadão Espírito-Santense destinados a três nomes do alto escalão da política brasileira: o ex-presidente Lula (PT), o atual presidente da República, Michel Temer, e o senador e ex-candidato a presidência, Aécio Neves.

O projeto, que será analisado pelas comissões de Justiça e Cidadania, quer revogar as honrarias dadas aos três políticos porque elas "não coadunem com os princípios morais e éticos do cidadão espírito-santense", segundo o texto do projeto.

Em sua justificativa, Majeski lembra que Lula "foi condenado pela Justiça Federal a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro, sendo o primeiro ex-presidente da história a ser condenado por um crime comum no Brasil"; Michel Temer "foi o primeiro presidente da República da história a ser denunciado por um crime comum"; e Aécio Neves foi "denunciado pela Procuradoria Geral da República pelos crimes de corrupção passiva e obstrução da Justiça".

Protocolado na Casa no último dia 21, o PL 442/2017 vem logo após toda a polêmica envolvendo o ex-presidente Lula, que recebeu a indicação através do deputado Nunes para receber seu segundo título de Cidadão Espírito-Santense. O projeto, no entanto, foi arquivado pela presidência da Assembleia.

PL similar

O próprio Majeski já apresentou, no último ano, um outro projeto de lei (PL 214/2016) que veda homenagens a pessoas que tenham sido condenadas por atos de improbidade ou crime de corrupção. A matéria está em análise na Comissão de Finanças há quase um ano.