• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Defesa de Loures pede adiamento de julgamento sobre extensão da imunidade

  • COMPARTILHE
Política

Defesa de Loures pede adiamento de julgamento sobre extensão da imunidade

Os 11 ministros do STF devem discutir na sessão plenária do dia 13 os recursos de Loures, Cunha e Geddel

A defesa do ex-assessor especial da Presidência Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) o adiamento do julgamento previsto para a próxima quarta-feira, 13, do desmembramento das investigações do chamado "quadrilhão do PMDB da Câmara". A discussão sobre o alcance da imunidade presidencial está no centro do debate.

Depois de a Câmara dos Deputados barrar o prosseguimento da denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em relação ao presidente Michel Temer e aos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência da República), o ministro Edson Fachin decidiu enviar ao juiz federal Sérgio Moro, da 13.ª Vara Federal Criminal de Curitiba, a parte da denúncia pelo suposto crime de organização criminosa que se refere ao restante do núcleo político do PMDB da Câmara - Loures, o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) e o ex-ministro Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

Os 11 ministros do STF devem discutir na sessão plenária do dia 13 os recursos de Loures, Cunha e Geddel Vieira Lima, que questionam a decisão de Fachin e pedem a suspensão do andamento da denúncia apresentada contra eles.

Defensor de Loures, o advogado Cezar Bitencourt alegou ao Supremo que no mesmo dia previsto para a apreciação dos recursos está previsto um julgamento, em Porto Alegre, de um outro cliente seu, que sofre "grave risco de prisão".

"Diante do exposto e ante a impossibilidade de comparecer nos dois julgamentos (...), requer a Vossa Excelência examinar a possibilidade de adiar o julgamento pautado conjuntamente com outros agravos", solicitou o advogado, pedindo que o julgamento seja remarcado para a próxima sessão plenária da Corte, prevista para o dia 14 de dezembro.

Congestionada

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, decidiu convocar uma sessão extraordinária para a manhã da próxima quarta-feira, no esforço de dar conta da pauta congestionada da Corte neste final de ano. No mesmo dia, os ministros se reunirão no plenário à tarde.

Cármen pretende julgar na manhã da próxima quarta-feira o recurso do senador Ivo Cassol (PP-RO), condenado em agosto de 2013 a 4 anos, 8 meses e 26 dias de detenção em regime semiaberto, por fraudes a licitações.

Logo depois, a presidente do Supremo pretende iniciar o julgamento sobre os acordos de colaboração premiada firmados pela Polícia Federal. Os recursos de Loures, Cunha e Geddel Vieira Lima deverão ser apreciados apenas depois, se houver tempo suficiente.