• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Qualquer um de fora teria um choque com o panorama atual do País, diz Barroso

  • COMPARTILHE
Política

Qualquer um de fora teria um choque com o panorama atual do País, diz Barroso

"O presidente da República sofreu duas denúncias pelo procurador-geral da República por corrupção passiva e obstrução de justiça. O presidente anterior foi condenado no primeiro grau da jurisdição por corrupção passiva", diz ministro

Rio, 15 - A corrupção no País se tornou endêmica, com esquemas profissionais de arrecadação que formaram pequenas facções criminosas, e quem olhar para a cena brasileira atual não tem como não ter um choque, disse nesta sexta-feira, 15, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, em almoço-homenagem a ele na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

O ministro afirmou que é impossível não ter vergonha do que aconteceu no Brasil, referindo-se à operação Lava Jato, e disse que se fosse tirada uma fotografia do momento atual do Brasil, ninguém de fora do País acreditaria.

"O presidente da República sofreu duas denúncias pelo procurador-geral da República por corrupção passiva e obstrução de justiça. O presidente anterior foi condenado no primeiro grau da jurisdição por corrupção passiva. Um outro presidente anterior foi denunciado diante do Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva. Um ex-candidato a presidente da República, senador da República está denunciado perante o Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva. Dois ex-chefes da Casa Civil já foram condenados em primeiro grau, um se encontra recluso por corrupção passiva. Dois ex-presidentes da Câmara dos Deputados encontram-se presos, um deles já condenado em segundo grau por corrupção passiva. O ex-secretário da Presidência da República encontra-se recluso, porque teria sido apreendido em um apartamento seu a bagatela de R$ 51 milhões. Diversos governadores estão presos, sendo processados por corrupção", enumerou Barroso para uma atenta plateia de advogados e outros convidados, ressaltando que não estava fazendo nenhum juízo de valor.

De acordo com Barroso, a delação premiada da Odebrecht envolveu 26 partidos políticos e algumas centenas de políticos. Já a delação premiada da JBS envolveu mais de 1.800 políticos de 28 partidos.

"É tão espantoso que alguém pode pensar que haja uma conspiração contra tudo e contra todos. O único problema são os fatos, os atos, os vídeos, as fotos, as malas, as mochilas, os apartamentos", afirmou o ministro.

Agenda positiva

Ele pondera no entanto, que a sociedade tem a demanda da integridade e está havendo uma mudança de atitude em todo País. Mas advertiu que não será apenas com o direito penal que vai se mudar a cultura da impunidade. "Não será com o direito penal, nem com mascarados, mas com educação de qualidade que se muda o País", lembrou.

Segundo ele, no Brasil se criou um País de "ricos delinquentes", que acha que só serão punidos se quiserem. Para ele, ainda existem dois grupos aliados da corrupção: "O primeiro, das pessoas que não querem ser punidas. Mas o lote pior é o das pessoas que não querem ficar honestas daqui para frente", disse.

Barroso afirmou porém, que a maioria está indo no caminho certo e está havendo uma mudança de atitude da sociedade. "Não podemos achar que direito penal é só para o menino pobre com maconha. Precisamos entronizar na nossa política democrática uma política de igualdade, ninguém pode ser preso porque é rico ou porque é pobre. O Brasil precisa viver um momento de refundação, que se crie a cultura e o exemplo de que ser honesto vale a pena", afirmou.