Saúde

Como diferenciar tristeza de depressão: sinais e sintomas

Entenda as diferenças entre tristeza passageira e depressão, uma condição médica que afeta milhões de pessoas

Redação Folha Vitória

Redação Folha Vitória
Foto: Freepik

Nos dias de hoje, é comum que as pessoas falem sobre depressão e outros problemas de saúde mental em conversas cotidianas ou em vídeos na internet. O termo “deprê” frequentemente é usado para descrever momentos de tristeza. No entanto, é crucial saber diferenciar uma fase melancólica de um quadro de depressão.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas? Participe da nossa comunidade no WhatsApp ou entre no nosso canal do Telegram!

A tristeza é um sentimento natural que surge em resposta a situações difíceis, como perdas ou decepções. É uma reação humana comum e geralmente temporária.

Já a depressão, por outro lado, é uma doença que afeta cerca de 15% dos brasileiros, segundo o Ministério da Saúde. Ela se manifesta como uma sensação persistente de desânimo, desesperança e falta de interesse por atividades anteriormente prazerosas. Além disso, impacta o sono, apetite, concentração e energia.

Diferenças pdrincipais: duração, intensidade e causa

Os especialistas afirmam que os aspectos mais importantes para diferenciar tristeza de depressão são a duração, intensidade e causa dos sintomas.

“Episódios de tristeza são normais e têm um fator desencadeante: seja algo do momento ou uma recordação de uma vivência do passado”, explica Ricardo Alberto Moreno, psiquiatra e diretor do Programa de Transtornos Afetivos (GRUDA) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, em entrevista ao Estadão.

Quando suspeitar de depressão?

A depressão pode ser desencadeada por um evento específico, mas pode se manter mesmo sem um motivo aparente. Se a tristeza persiste por mais de 15 dias, acompanhada de perda de prazer em atividades cotidianas, é hora de buscar ajuda médica.

LEIA TAMBÉM: Refrigerante zero x suco natural: Qual é melhor para emagrecer?

A depressão causa prejuízos funcionais significativos, como interrupção da vida profissional e perda de raciocínio. A tristeza, embora difícil, pode funcionar como uma distração temporária, enquanto a depressão paralisa a pessoa.

“Depressão não é expressão de um momento da vida. Isso é tristeza”, reforça Moreno. 

Para a depressão, o tratamento com psiquiatras, que pode incluir medicamentos e terapia, é essencial.

“A experiência humana faz com que a gente se depare com uma série de emoções, incluindo a tristeza. O problema é quando isso piora com o tempo. Nesses casos, podemos pensar em depressão”, afirma Giana Bitencourt Frizzo, psicóloga e membro da Sociedade Brasileira de Psicologia, em entrevista ao Estadão. 

LEIA TAMBÉM: Multivitamínicos podem melhorar a memória? Novo estudo revela

“Lidar com a tristeza faz parte de um amadurecimento pessoal. Isso envolve se permitir ficar triste e se apoiar em outras relações para superar esse sentimento”, completa.

Distimia: o mau humor como sinal de depressão

O mau humor contínuo e a insatisfação podem indicar distimia, um subtipo de depressão. A distimia é marcada por sintomas menos intensos e um curso prolongado, muitas vezes confundido com traços de personalidade.

“Indivíduos com distimia têm uma sensação constante de inadequação e baixa tolerância”, descreve Moreno. 

Embora menos intenso, esse tipo de depressão também necessita de tratamento adequado.

Saber diferenciar tristeza de depressão é crucial para buscar o tratamento adequado e melhorar a qualidade de vida. Se você ou alguém que você conhece está enfrentando esses sintomas, não hesite em procurar ajuda médica.

*Com informações do Estadão

Este conteúdo foi produzido com o auxílio de ferramenta de Inteligência Artificial e revisado por editor do jornal
Pontos moeda