• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Número de casos de Aids no ES tem queda de 14,9%, aponta Ministério da Saúde

Saúde

Número de casos de Aids no ES tem queda de 14,9%, aponta Ministério da Saúde

No Brasil, a quantidade de portadores do vírus HIV cresce entre o público de 20 a 34 anos

Foto: Divulgação/ Internet

Os casos de Aids tiveram uma queda de 14,9% no Espírito Santo em um ano. No Brasil, o número aumentou principalmente entre jovens. O mês de dezembro é dedicado à conscientização sobre a doença transmitida pelo vírus HIV. As campanhas de prevenção auxiliam para reduzir as chances de uma pessoa contraí-la.

Sidney Parreiras de Oliveira descobriu há 23 anos que é portador do vírus HIV. Ele afirma que foi um choque no início, porque era considerada, à época, uma doença mortal. 

"Infelizmente eu não tenho a certeza da forma que eu contraí o vírus. Como eu trabalhava dentro de um laboratório de um hospital, sofri alguns acidentes com objetos cortantes, e o parceiro da minha vida afetiva teve resultado negativo no exame, enquanto eu tive meu diagnóstico positivo. Muitos famosos estavam morrendo, de forma violenta, triste e drástica", contou o técnico de análises clínicas.

Hoje, ele leva uma vida normal graças ao tratamento adequado. "Tenho um relacionamento sorodiscordante: eu sou positivo e ele é negativo. E ele não contraiu o vírus porque estou indetectável por estar com a medicação em dia, então fico indetectável e intransmissível", explicou.

O tratamento com os chamados remédios antirretrovirais não são a cura da Aids, mas impedem que o vírus cause algum problema ou se reproduza. 

"Todo vírus que se multiplica é destruído pelos medicamentos, desde que estes sejam tomados corretamente. Então, quem toma medicação corretamente e acompanha [o tratamento] fica indetectável. Então, o importante é não achar o vírus naquela pessoa. Se você não acha, ela não transmite. Então, além de ser bom para ela, é bom para a sociedade, porque essa pessoa para de ser transmissível", releva o infectologista Lauro Ferreira.

A Aids deixou de ser uma doença que levava à morte, para ser um mal crônica, o que permite aos portadores do vírus HIV terem o tratamento adequado para viver. Porém, o público entre 20 e 34 anos registrou um crescimento. Em 2014, 48% das vítimas eram dessa faixa etária, segundo dados do Ministério da Saúde. Atualmente, o número chega a 57%.

Entretanto, o número de novos casos da doença tem caído no Espírito Santo. Foram 1.255 em 2017 e 1068 no ano passado, uma queda de 14,9%. O Ministério da Saúde calcula que 135 mil pessoas vivam com Aids no Brasil e não sabem. A orientação é sempre usar camisinha para ter uma relação sexual segura.

*Com informações do repórter Laércio Campos, da TV Vitória/Record TV