• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Acusado de arrastar cão em asfalto em Iúna é ouvido em CPI

  • COMPARTILHE
Política

Acusado de arrastar cão em asfalto em Iúna é ouvido em CPI

Welington Teixeira Castelar, flagrado arrastando um cachorro pelo asfalto em Iúna, no último mês de fevereiro, foi ouvido nesta quarta-feira (14) pela CPI dos Maus-Tratos a Animais da Assembleia Legislativa. Ele se defendeu das acusações

O motorista Welington Teixeira Castelar, flagrado arrastando um cachorro pelo asfalto em Iúna, no último mês de fevereiro, foi ouvido nesta quarta-feira (14) pela CPI dos Maus-Tratos a Animais da Assembleia Legislativa. Servidor da prefeitura de Iúna, ele é acusado por duas jovens de maltratar um cão ao transportá-lo na traseira de sua moto, no percurso de seu sítio em direção ao centro de Iúna, na região do Caparaó.

Durante a reunião da CPI, Welington se defendeu das acusações e explicou toda a situação. “Ele estava na moto e eu o segurava; ele caiu. Tinha uns três ou quatro carros atrás de mim e eu não pude parar. Se eu parasse, seria atropelado. Tava levando ao veterinário de moto. Não tinha condição de pagar o transporte”, contou.

O motorista disse que, quando passou pelas irmãs, foi interpelado. “As moças viram que o cachorro estava machucado, gritaram dizendo que eu era monstro. Pularam em mim, rasgaram minha camisa. Aí, eu peguei a moto e fui embora”, relatou.

Diante de todos os fatos, o Ministério Público Estadual (MPES) abriu um processo com um termo circunstanciado e o motorista será chamado para depor. Castelar também concordou em cobrir todas as despesas decorrentes do tratamento do cão, que recebeu o nome de Vitorioso e foi entregue a uma professora, que o adotou.

Denúncia

As jovens relataram que o acusado arrastou o cão na estrada preso por uma corda. Segundo elas, ele alegou que o animal estava morto. Entretanto, o cachorro não estava morto, mas bastante ferido e com vermes no pescoço e outras partes do corpo, inclusive nas patas.

Parte do acontecimento foi gravado pelas jovens. De acordo com a denúncia, ao ver o cão sendo arrastado, elas perseguiram o motorista e o fizeram parar. Segundo elas, Castelar abandonou o cão e foi embora. As irmãs levaram o cão ao veterinário e prestaram depoimento na delegacia.